Paraná

Visitas virtuais já são realidade em 43 unidades prisionais do Paraná

Com duração média de 15 a 30 minutos, presos de 43 unidades penais do Paraná já podem contactar seus familiares por meio de videochamadas pré-agendadas. O sistema de visitas virtuais tem sido ampliado, principalmente por conta da restrição de visitas, em vigor desde o fim de março, para evitar a proliferação do Covid-19 no sistema prisional do Estado.

Nos 43 locais com o sistema em funcionamento, estão incluídas todas as regionais do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen). Em Curitiba e Região Metropolitana, todas as 10 penitenciárias e casas de custódia já contam com o recurso, desde o início deste mês de junho.

Em Ponta Grossa: cinco unidades; Francisco Beltrão e Guarapuava: três; Cascavel: quatro; Foz do Iguaçu: quatro; Maringá: treze; e Londrina, quatro também.

“As visitas virtuais são uma ferramenta que implantamos em 2018 e que visa justamente contemplar os presos que não recebem visita, seja por conta da distância dos familiares ou por qualquer outro motivo que impeça essa visitação. O objetivo, nesse momento crítico pelo qual passamos agora em função da pandemia, é diversificar um pouco a rotina dos presídios e possibilitar este contato, que está suspenso na forma presencial”, afirmou o diretor-geral do Depen, Francisco Caricati.

As webvisitas funcionam desde 2018 em três penitenciárias da Região Metropolitana de Curitiba, entre elas a Penitenciária Feminina do Paraná. O sistema foi criado como forma de facilitar o contato entre presos e familiares que têm dificuldades de chegar às unidades prisionais. Por conta do efeito positivo, agora está sendo estendido, aos poucos, a todas as regionais do Departamento Penitenciário.
OESTE – Em Cascavel e em Foz do Iguaçu, oito unidades prisionais também estão utilizando o serviço. Na conta, estão incluídas as Penitenciárias Estaduais de Cascavel (PEC) — com visitas virtuais todos os dias — e as duas de Foz do Iguaçu (PEF I e II) — com visitas virtuais sextas, sábados e domingos —, além da Penitenciária Feminina – Unidade de Progressão (PFF-UP) — com visitas virtuais às segundas, quartas e sextas.
Nas cadeias públicas da região de Cascavel (Toledo, Laranjeiras do Sul e Marechal Cândido Rondon), as videochamadas com familiares ocorrem de segunda à sexta-feira. Já na Laudemir Neves, o serviço é oferecido de sexta a domingo.

“Nas unidades penais que já demos início a este processo, os presos estão muito felizes, satisfeitos. Deu uma repercussão muito boa, porque estavam há mais de 90 dias sem contato com os familiares e puderam ter este acesso. Conversando, viram que a situação está bem difícil aqui fora e ouviram de familiares que não é hora mesmo de visitas presencias, porque a pandemia é séria, grande e pode causar problemas para eles”, destacou o coordenador regional do Depen em Foz do Iguaçu, Marcos Aparecido Marques.

NOROESTE – Nesta região, as webvisitas são ofertadas nas Penitenciárias Estaduais de Maringá, aos finais de semana, e de Cruzeiro do Oeste, de sexta a domingo. Nestes três dias, também é possível utilizar o serviço na Casa de Custódia de Maringá e na Colônia Penal Industrial de Maringá.

Na região, entre as cadeias públicas, apenas a de Mandaguari ainda não tem o sistema implantado. Nas unidades de Maringá, Sarandi, Paranavaí, Umuarama e Cianorte e Guaíra, a visita virtual ocorre às quartas-feiras. Às quintas-feiras, familiares de presos custodiados em Astorga, Goioerê e Nova Esperança também podem fazer a videochamada.

“O Governo do Estado e a Secretaria da Segurança, junto ao Depen, têm se esforçado no sentido de prover serviços de assistência ao apenado durante a pandemia, visando evitar a proliferação do Covid-19 no interior do cárcere e, ao mesmo tempo, viabilizar atividades, exames e estas videochamadas”, afirmou o coordenador regional do Depen em Maringá, Luciano Brito.

RMC – Na Penitenciária Central do Estado – Unidade de Progressão, ocorrem 10 visitas por dia, todos os dias da semana. Na Penitenciária Feminina, na Casa de Custódia de Curitiba, na Colônia Penal Agroindustrial e no Complexo Médico Penal, as videochamadas com familiares ocorrem de segunda à sexta-feira.
Nas outras unidades — Penitenciária Central do Estado – Unidade de Segurança, Casas de Custódia de São José dos Pinhais e de Piraquara e Penitenciárias Estaduais de Piraquara I e II — as visitas virtuais ocorrem apenas aos finais de semana.

CAMPOS GERAIS – Na região dos Campos Gerais, de segunda à sexta-feira, familiares de presos das Penitenciárias Estaduais de Ponta Grossa – Unidades de Segurança e Progressão e das Cadeias Públicas Hildebrando de Souza, de Castro e de Telêmaco Borba também podem utilizar o serviço.

SUL E SUDOESTE – Em Guarapuava e Francisco Beltrão, três penitenciárias contam com o serviço. A Penitenciária Estadual de Guarapuava – Unidade de Progressão foi a primeira na região a aderir às videochamadas, as quais ocorrem de segunda a sábado. Na Penitenciária Industrial de Guarapuava e na Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão, as webvisitas ocorrem de segunda à sexta-feira.

Na Cadeia Pública de Pato Branco, a sala já foi montada e os testes também já foram iniciados. “A previsão é de que as visitas ocorram durante a semana, de segunda à sexta-feira”, afirmou o coordenador do Depen na região, Antonio Marcos Camargo de Andrade.
NORTE – Até o momento, o serviço é ofertado nas quatro maiores unidades: nas Penitenciárias Estaduais de Londrina I e II, na Casa de Custódia do município e no Centro de Reintegração Social de Londrina , aos finais de semana.

COMO FUNCIONA – Para que os familiares possam utilizar este recurso é necessário que enviem uma solicitação de agendamento, por endereço eletrônicol, ao setor de serviço social da unidade prisional em que o preso está custodiado e aguardar os demais procedimentos.

AEN

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduanda pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.