Mundo

“Viagra feminino” está mais perto de chegar às farmácias

7071009-kJzC-U101168171243QRC-1024x576@GP-WebOs Estados Unidos deram um importante passo para que o primeiro remédio para disfunção sexual nas mulheres chegue às farmácias. Nesta quinta-feira (4), uma banca da agência que regulamenta os medicamentos norte-americanos, a FDA, aprovou uma substância que vem sendo chamada de “Viagra feminino” ou “Viagra rosa”.

De acordo com a FDA, a flibanserina poderá ser comercializada após os laboratórios adotarem medidas para diminuir os efeitos colaterais, como queda de pressão e tonturas, segundo informações do jornal Los Angeles Times.

Para muitos cientistas, a flibanserina pode melhorar a qualidade da vida sexual das mulheres da mesma forma como os medicamentos masculinos o fizeram com os homens. Estudos apontam que uma pílula de 100 mg consumida diariamente aumenta drasticamente a libido das mulheres.

Apesar de chamada informalmente de “Viagra feminino”, a flibanserina tem ação diferente. Enquanto o medicamento masculino estimula a circulação sanguínea, ela age quimicamente no cérebro para aumentar o desejo sexual.

Direitos iguais

O debate sobre medicamentos femininos de disfunção sexual se estende há vários anos nos Estados Unidos. A comunidade farmacêutica havia sido muito criticada por desenvolver várias substâncias para o universo masculino e nenhum para o feminino.

Após as medidas que diminuam os efeitos colaterais, a FDA fará nova avaliação e, desta forma, liberará a comercialização do medicamento.

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.