Paraná

Urbs aumenta tarifa técnica; valor pago por passageiros não muda

A Urbanização de Curitiba (Urbs) definiu nesta terça-feira (29) o valor da tarifa técnica do transporte coletivo da capital: R$ 3,21. O aumento, de R$ 0,28 em relação ao valor atual, está abaixo do que o Sindicato das Empresas de ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) pede na Justiça, que é de R$ 3,40. O valor da passagem para o usuário permanece em R$ 3,30.

O valor de R$ 3,21 estabelece quanto é o custo real por passageiro pago pela prefeitura às empresas de ônibus. A administração municipal informou, em nota, que para definir a nova tarifa foi descontado o montante que seria repassado às empresas por 180 ônibus que estão com vida útil vencida, pois eles não foram substituídos, conforme determina o contrato de operação.

Com o aumento, cerca de R$ 5,2 milhões serão repassados a mais para as empresas de ônibus por mês, também de forma retroativa a fevereiro, quando deveria ter ocorrido o reajuste. Isso quer dizer que serão oito meses de pagamentos retroativos, em um total de cerca de R$ 41,6 milhões (de fevereiro a setembro). A Urbs, entretanto, diz que desse total serão descontados R$ 30 milhões que já haviam sido repassados às concessionárias de ônibus desde maio de 2015, quando um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi firmado com o Ministério Público do Paraná (MP-PR). Com isso, o valor que as empresas terão para receber deve chegar a R$ 11,6 milhões.

Ainda segundo a prefeitura de Curitiba, o valor da tarifa técnica sofrerá um novo reajuste de R$ 0,10 em dezembro de 2015. Isso porque haverá aumento a partir daquele mês da alíquota da contribuição previdenciária sobre receita bruta, que foi definido pelo Governo Federal.

O usuário continuará pagando R$ 3,30. A diferença entre a tarifa técnica e a do passageiro, segundo a prefeitura, ajudará a “manter a saúde financeira do sistema, levando em conta especialmente o risco de a tarifa técnica passar a R$ 3,40, como pedido judicialmente pelos empresários”.

Justiça

A reportagem entrou em contato com o Setransp, mas o sindicato informou que não vai se pronunciar sobre o assunto. Ainda conforme a entidade que representa as empresas, não houve, até esta terça-feira (29), resposta à ação feita pelo Setransp e que pede o reajuste da tarifa técnica para R$ 3,40. O sindicato reclama que a defasagem no valor prejudica a operação do sistema e o pagamento dos funcionários das empresas de ônibus.

Em setembro, motoristas e cobradores de ônibus ameaçaram entrar em greve em uma das concessionárias, que atende a região do bairro Santa Cândida, por causa dos atrasos no pagamento da antecipação salarial de 40%, conhecida como vale. As empresas não haviam realizado o pagamento em Curitiba para os funcionários da totalidade dos 40%, o que foi sanado somente no dia 24 deste mês.

 

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.