Araucária

Terapia com cavalos é oferecida gratuitamente pela Prefeitura de Araucária

O contato dos seres humanos com os animais sempre existiu, mas essa relação foi aperfeiçoada com o passar dos tempos. Hoje estudos analisam e práticas demonstram que esse contato pode ser benéfico, tornando-se uma alternativa na reabilitação de pacientes. Principalmente cães e cavalos são utilizados em Terapias Assistidas por Animais, como é o caso da equoterapia, na qual os cavalos são usados dentro de uma abordagem multidisciplinar. Esse tipo de tratamento foi reconhecido e regulamentado como terapia de reabilitação através da Lei n° 13.830, de 13 de maio de 2019.

Em Araucária, no ano de 2019, o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), através de recursos oriundos do Fundo para Infância e Adolescência (FIA), ofertou tratamento equoterápico para 14 pacientes do Serviço de Saúde Especial, anexo ao Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado Joelma Tulio.

No entanto, desde o início de fevereiro deste ano, a Prefeitura do Município de Araucária passou a oferecer a um público maior o tratamento com os cavalos, após observar os ganhos significativos com os alunos do CMAEE. O objetivo do programa é viabilizar o referido método de reabilitação para crianças e adolescentes em famílias que têm dificuldade de custear tal terapia.

CRITÉRIOS E ENCAMINHAMENTOS PELA PMA

O pedido de encaminhamento para equoterapia é feito exclusivamente pelas equipes que atendem no Serviço de Saúde Especial (SSE), Centro de Reabilitação Infantil (CRIA), Serviço de Atenção em Saúde Mental a Criança e ao Adolescente (Secria) e Centro de Especialidades Terapêuticas (CET), pois o público alvo são crianças e adolescentes com deficiência física ou intelectual ou algum tipo de transtorno, conforme explicado pela diretora do Departamento de Atenção Especializada, Carolina Torres. Obrigatoriamente, as crianças e adolescentes a serem encaminhados para este tipo de terapia já devem fazer parte dos serviços mencionados.

A diretora comentou que a empresa ganhadora da licitação realizada no ano passado já iniciou os atendimentos. “São 103 vagas previstas pelo contrato nº 138/2020 que disponibiliza quase 5.000 sessões. Apesar da assinatura do contrato no ano passado, as sessões não foram iniciadas imediatamente devido a situação de risco para COVID-19. Então, foram solicitadas readequações no local das atividades terapêuticas pelo Comitê de Combate e Enfrentamento ao novo Coronavírus. Por isso, somente nesse mês de fevereiro é que as atividades tiveram início”, esclareceu.

Conforme o projeto elaborado, as vagas são ofertadas às crianças e adolescentes que, teoricamente, possuem mais chances de se beneficiar com o tratamento. Ainda, segundo a equipe do CET/CRIA, o maior ganho se dá em crianças na primeira infância (3 a 5 anos), nas quais a plasticidade neuronal se faz presente, permitindo assim a “estimulação precoce”. O segundo grupo a ser priorizado é a população com deficiência física, devido ao ganho motor proporcionado pelo estímulo dos movimentos do cavalo, sendo aproximadamente 1.800 estímulos em uma sessão de 30 minutos.

Carolina explicou ainda que existe a liberação de vagas de acordo com a capacidade de atendimento do Centro Hípico. “No Centro a criança também passa por avaliação da equipe multidisciplinar que dá o parecer final quanto a indicação da terapia ao paciente”, apontou.

CENTRO HÍPICO

A empresa vencedora da licitação foi o Centro Hípico 2B, localizado em frente ao CEMO, próximo a marginal da Rodovia no Xisto. A equoterapia acontece de segunda a quinta-feira, das 8h às 17h30.

A sócia proprietária do estabelecimento, que é também fisioterapeuta e instrutora de equitação, Larissa Cristina Benato, explicou que a equipe que atua junto aos praticantes é composta por educador físico, psicólogo, fisioterapeuta, auxiliar guia e instrutor de equitação. “Todos os profissionais que trabalham no Centro possuem pós-graduação em equoterapia. Além disso, realizam formações e capacitações contínuas”, informou.

De acordo com ela, existem quatro programas de equoterapia, sendo a hipoterapia, educação e reeducação, pré-esportivo e esportivo. O primeiro é utilizado para praticantes com paralisia, síndromes ou com maior comprometimento motor. Neste caso, o auxiliar guia e mais dois profissionais ficam ao lado da criança e do cavalo durante todo o percurso. “O passo do cavalo é similar ao nosso passo, então quando montamos nosso cérebro interpreta esses estímulos e passa ao praticante as reações de equilíbrio, força muscular e coordenação motora que temos quando andamos. Por isso, o praticante da equoterapia, no programa hipoterapia, tende a evoluir muito”, comentou a fisioterapeuta. Larissa explicou também que nestes casos em que o praticante possui maior comprometimento, a terapia é feita somente com andadura ao passo, porém em casos em que o praticante possui comprometimento social ou comportamental, pode ser feito o trote e até mesmo o galope em situações específicas.

Monica Regina Barão, também sócia proprietária do Centro Hípico, que é por formação pedagoga e administra o local, comentou sobre a seleção rígida dos animais que irão compor o quadro de “terapeutas”. “O cavalo precisa ser treinado e preparado para este tipo de atividade. Além de animais calmos, eles precisam ser desensibilizados para as mais diversas situações. Ainda, observamos a musculatura de dorso do cavalo, pois serão esses estímulos que precisamos oferecer ao praticante. Os animais são saudáveis e precisam estar muito bem fisicamente, para que a evolução do praticante seja propiciada”, disse.

A pedagoga explicou que todos os momentos da equoterapia são previamente estabelecidos, ou seja, a andadura mais lenta do animal é pensada pela equipe para proporcionar um tipo de estímulo ao praticante, assim como um passo um pouco mais acelerado pode gerar outras reações à pessoa que está montada. “Utilizamos toda a biomecânica do cavalo e ao final da atividade é propiciado um segundo momento em que o praticante tem outro tipo de contato, inclusive o tátil, alimentando o animal, por exemplo”, esclareceu, complementando que a equoterapia não se dá somente no momento em que o praticante está montado.

Na última segunda-feira, 15 de fevereiro, Heverton da Silva Carvalho, 10 anos, teve sua primeira experiência na equoterapia. A mãe, Zenilda Carvalho, comentou que o filho estava ansioso e que gosta muito de animais. “Moramos no Rio Abaixinho, então quando as pessoas passam a cavalo em frente a nossa casa, o Heverton fica olhando, grita, acena, demonstra que tem vontade”, revelou. Durante e ao fim da aula, foi possível observar a alegria de Heverton. “Eu quero voltar”, disse o praticante.

Já Anthony Gabriel Costa, 04 anos, realizou sua terceira aula nesta semana. A mãe do praticante, Ivani Apolinário, nota que o filho gosta do contato com o animal, pois mesmo durante a aula, há determinado momento em que os profissionais param o cavalo e estimulam o contato físico.

DEMAIS PROGRAMAS DA EQUOTERAPIA

Como citado pela sócia do Centro Hípico e fisioterapeuta Larissa, a equoterapia é categorizada em programas voltados a diferentes capacidades.

O de educação e reeducação é voltado a praticantes com síndrome de down, autismo leve ou crianças com algum tipo de atraso no desenvolvimento. O pré-esportivo é voltado a praticantes sem comprometimento cognitivo, mas que estejam com depressão ou que tenham algum tipo de atraso, por exemplo. Já o esportivo é destinado a praticantes com deficiência visual ou auditiva, que tenham como participar de paraenduro ou adestramento (modalidade olímpica).

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.