Paraná

Sete cabeças e uma sentença: veja o perfil dos jurados do caso Carli Filho

O ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho finalmente sentou-se no banco dos réus. Exatos 3.217 dias depois da fatídica madrugada do dia 7 de maio de 2009, teve início na tarde de ontem o júri popular que decidirá o futuro do ex-deputado. Agora, caberá aos sete jurados que compõe o Conselho de Sentença declarar se o réu é inocente ou culpado pelas mortes de Gilmar Rafael Yared e Carlos Murilo de Almeida.

A escolha dos responsáveis pela decisão foi feita por meio de um sorteio eletrônico, a partir de uma lista divulgada no final de janeiro pelo Tribunal do Júri na qual constavam os nomes dos 25 jurados titulares e 20 suplentes, também sorteados entre os 1.500 cidadãos selecionados para servirem como jurados do Tribunal ao longo do ano — todos são moradores de Curitiba e foram escolhidos de forma a manter uma proporção com o perfil de habitantes da cidade.

Durante a composição do conselho de sentença, a defesa de Carli Filho impugnou a participação de três jurados, sendo um homem e duas mulheres. Já a acusação ‘gastou’ apenas uma das recusas a que tinha direito (um homem).

Anteriormente, o advogado Elias Mattar Assad, da assistência de acusação, havia apontado que a preferência era por mães motoristas. Contudo, nenhum dos jurados apresenta o perfil considerado ideal pela acusação, uma vez que nenhum dos jurados é mãe. Ainda assim, a maioria (cinco jurados) são do sexo feminino.

Sobre o perfil dos jurados, três possuem vivência no meio jurídico, uma vez que um deles é advogado e outros dois, estudantes de Direito (a exemplo de parte considerável dos curiosos presentes no Tribunal). A lista traz ainda um professor de inglês, um corretor imobiliário, um bancário e um operador de equipamento médico e odontológico.

Quanto à faixa etária, o jurado mais jovem possui 23 anos, ao passo que o mais velho tem cerca de 50 anos. Podem participar do Tribunal do Júri os maiores de 18 anos que não tenham antecedentes criminais e estejam em dia com suas obrigações eleitorais e no gozo de seus direitos políticos. A decisão dos jurados sobre a condenação ou absolvição do réu é soberana. Assim, em caso de condenação, o juiz Daniel Ribeiro Surdi de Avelar fará apenas a dosimetria, ou seja, o cálculo da pena a ser cumprida.

A acusação do Ministério Público é de duplo homicídio com dolo eventual, cuja pena prevista varia de 6 a 20 anos de prisão, com acréscimo de até 2/3 em razão de haver uma segunda vítima. Outras possibilidades são o dolo eventual ser reconhecido, mas o réu acabar absolvido, ou ainda os jurados recusarem a acusação de dolo eventual.

 

BEM PARANA

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.