Araucária

Serviços municipais de Araucária contribuem para empoderamento feminino

Independente de classe social ou da realização ou não de Boletim de Ocorrência em caso de violência contra a mulher, todas as mulheres podem buscar ajuda e têm o direito a ter seus direitos básicos respeitados. Segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos”. E nessa linha, dois serviços têm destaque em Araucária na proteção da dignidade da mulher e contribuem para o empoderamento feminino: o Centro de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência (CRAM) e a Patrulha Maria da Penha.

Considerando alguns efeitos sociais da pandemia do novo coronavírus, infelizmente o número de atendimentos a denúncias de violência contra a mulher aumentaram e os serviços passaram a ser mais requisitados. O CRAM realizou cerca de 3 mil atendimentos em 2019, sendo que no ano passado as solicitações mais que dobraram, chegando a mais de 7 mil. Apenas nos primeiros dois meses deste ano foram mais de 900 atendimentos realizados. Os registros da Patrulha Maria da Penha, da Guarda Municipal, também seguiram a mesma tendência. Atualmente, 550 mulheres estão sendo atendidas pela patrulha. Em 2019 foram 2490 visitas realizadas e no ano passado foram 3737 atendimentos.

CRAM
O CRAM é um serviço de acolhimento e atendimento psicológico, social, com orientação e encaminhamento jurídico às mulheres vítimas de violência, que oferta os atendimentos e acolhimentos necessários à superação da situação de violência ocorrida, contribuindo para o fortalecimento da mulher e o resgate da sua cidadania. Ele informa a respeito de direitos, ciclos da violência e orienta em casos de relacionamento abusivo. O CRAM faz encaminhamentos a serviços vinculados, como Patrulha Maria da Penha, faz articulação e parcerias entre os órgãos para a priorização do atendimento do público-alvo. O principal objetivo das intervenções do CRAM é contribuir para que a situação de violência vivenciada cesse, promovendo meios para que a vítima fortaleça sua autoestima e tome decisões positivas. Apesar de receberem denúncias de todos os tipos de violência contra a mulher, as mais comuns registradas são de ameaça, violência física e psicológica. 

Atendimentos do CRAM
Devido à pandemia de coronavírus, o atendimento está sendo priorizado por telefone, vídeochamada e whatsapp. Atendimentos presenciais estão ocorrendo apenas em casos mais graves em horário comercial das 8h às 12h e das 13h às 17h, inclusive quando necessário sendo realizada visita domiciliar.

Patrulha Maria da Penha
A Guarda Municipal de Araucária conta com uma equipe específica para realizar acompanhamento de mulheres que estão sob medida protetiva – conforme decisão da Justiça. Os guardas trazem uma segurança extra a essas mulheres vítimas de violência doméstica. 

A Secretaria Municipal de Segurança Pública destaca que na pandemia alguns fluxos de atendimento mudaram, mas os serviços continuam. É possível ligar no telefone 3901-5200 e agendar um horário para saber mais informações da Patrulha Maria da Penha.

Em situação de emergência o ideal é acionar a Guarda Municipal pelo telefone 153. “Eles têm feito um trabalho maravilhoso e atendem em casos de emergência, 24 horas. Eles têm maior sensibilidade para tratar desta questão. E encaminham ao CRAM todos os B.O. dos chamados de violência doméstica para que entremos em contato com as mulheres para oferecer o atendimento no CRAM”, orienta a psicóloga e coordenadora do CRAM, Simoni Vicenti.

TIPOS DE VIOLÊNCIA
Estão previstos cinco tipos de violência doméstica e familiar contra a mulher na Lei Maria da Penha: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial.
Violência Física: Entendida como qualquer conduta que ofenda a integridade ou saúde corporal da mulher.  
Violência Psicológica: É considerada qualquer conduta que: cause dano emocional e diminuição da autoestima; prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento da mulher; ou vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões. São exemplos: ameaças, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento (proibir de estudar e viajar ou de falar com amigos e parentes).

Violência Sexual
Trata-se de qualquer conduta que constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força.

Violência Patrimonial
Entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades.

Violência Moral
É considerada qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria. São exemplos, acusar a mulher de traição; emitir juízos morais sobre a conduta; fazer críticas mentirosas; expor a vida íntima; rebaixar a mulher por meio de xingamentos que incidem sobre a sua índole; desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir.
 

REDE DE PROTEÇÃO
A rede de atendimento à mulher em situação de violência doméstica e familiar integra os serviços de saúde, justiça, segurança pública e assistência social. A mulher em situação de violência pode pedir auxílio em qualquer um destes serviços públicos. Além disso, denúncias podem ser feitas pelos seguintes canais:
CRAM (atendimento em horário comercial): 3901-5162
Delegacia da Mulher (atendimento em horário comercial): 3614-0500
Disque 100. (serviço de monitoramento de denúncias de violação de direitos humanos)
Disque 181 (telefone para fazer denúncias sem se identificar. As informações são encaminhadas para diferentes órgãos da Segurança Pública do Paraná)
Ligue 180 (para denunciar e buscar ajuda a vítimas de violência contra mulheres)
Em caso de emergência, ligue para a Polícia Militar no número 190 ou Guarda Municipal 153.

SCMS Araucária

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.