Brasil

Sem vacina, cadeias brasileiras viram “vetores de contaminação” da Covid-19

A escassez de doses de vacinas contra o novo coronavírus coloca em debate quais grupos de brasileiros devem ter prioridade na campanha de imunização da doença. Pressionado, o governo lançou o Plano Nacional de Imunização, que, incialmente, priorizava, além de pacientes de grupo de risco e integrantes da faixa de maior letalidade da infecção, públicos em situação de vulnerabilidade, como populações carcerárias.

Para especialistas ouvidos pelo Metrópoles, a decisão do governo federal em retirar de pauta a imunização de internos dos sistemas prisionais pode agravar ainda mais o quadro de disseminação da doença nos presídios brasileiros.

Atualmente, os sistemas prisional e socioeducativo do país computam 63.442 internos infectados e 229 mortos em decorrência do novo coronavírus. Do total, 43.799 pacientes da Covid-19 são presos e outros 13.665 são servidores. Só no sistema socioeducativo, 1.377 adolescentes foram contaminados, além de 4.611 trabalhadores, com 27 óbitos. Os números foram atualizados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nessa quarta-feira (20/1).

“Vetor de contaminação”

Os dados referentes aos infectados pelo vírus nas cadeias brasileiras estão longe de representar a realidade, segundo o ex-diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) Renato De Vitto. Hoje atuando como defensor público pelo estado de São Paulo, o especialista assinala que é grande a subnotificação de casos da doença nos presídios nacionais – o que, para ele, é resultado de uma fraca política de testagem realizada pelas administrações regionais dos centros de detenção.

“Três quartos das unidades prisionais de São Paulo já foram contaminadas pela Covid-19. O fato é que esse número em São Paulo representa 11 mil infectados e, se comparado com a transmissibilidade entre a população geral, já é alto e deve ser muito maior considerada a baixa testagem, que só foi feita em 40 mil presos”, frisa.

O defensor público explica que, apesar do entendimento popular de que cadeias têm grande controle de pessoas, os centros de detenção, na verdade, apresentam expressiva movimentação diária de servidores, familiares e outros funcionários. “As pessoas imaginam cadeias como lugares inacessíveis, mas não é verdade. Você tem agentes penitenciários indo e vindo, familiares em visitas, presos que deixam as unidades para trabalhar, é um grande fluxo de pessoas.”


Leia a matéria completa no Portal Metrópoles

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.