Brasil

Região de Curitiba tem segundo menor desemprego do país

A Região Metropolitana de Curitiba tinha no terceiro trimestre deste ano a segunda menor taxa de desemprego entre as 21 áreas pesquisadas pelo IBGE na Pnad Contínua. O índice, de 5,7%, era maior apenas que o da região de Florianópolis (4,9%). As regiões de Goiânia (7,1%) e Porto Alegre (7,3%) eram as outras com taxas abaixo de 8%.

A pesquisa do IBGE mostra uma tendência de concentração de maiores taxas de desemprego na Região Nordeste (10,8%), Sudeste (9%) e Norte (8,8%), enquanto Centro-Oeste (7,5%) e Sul (6%) ainda têm mercados de trabalho mais dinâmicos. Na Região Metropolitana de Salvador, o desemprego bateu em 17% (há um ano, era de 13,5%).

Santa Catarina (4,4%) e Paraná (6,1%) são os estados com os menores desempregos no país. A taxa paranaense, inclusive, foi menor do que os 6,2% registrados no segundo trimestre deste ano. Somente outros cinco estados apresentaram queda na taxa na passagem de um trimestre para outro. Na comparação com o terceiro trimestre de 2014, o desemprego no Paraná subiu dois pontos percentuais.

Uma dinâmica parecida foi notada na Região Metropolitana de Curitiba, onde a taxa caiu de 5,9% no segundo trimestre para 5,7% no terceiro trimestre. Na contramão, a taxa da cidade de Curitiba passou de 5,6% para 6,5% no mesmo período, superando o desemprego registrado na média dos municípios da RMC. No período, o rendimento médio na capital caiu 4,7%, de R$ 2.991 para R$ 2.851. Um ano atrás, a renda na cidade era de R$ 2.986.

O rendimento real também está em queda na RMC, onde passou de R$ 2.482 no segundo trimestre para R$ 2.388 (queda de 3,8%) e no Paraná (de R$ 2.108 para R$ 2.093).

Entre as capitais, a taxa curitibana é a sexta menor do país – Florianópolis tem o mais baixo desemprego, de 5,5%. A maior taxa está em São Luís (14,7%). Brasília, com uma taxa de 10,3%, continua com a maior renda média do país, de R$ 3.512.

Conta própria

Outro aspecto mostrado pela Pnad Contínua é o aumento no número de pessoas trabalhando por conta própria. Essa é uma tendência registrada desde que o desemprego começou a subir e que é explicada por pessoas que perderam o emprego e decidiram empreender ou fazer bicos.

No Paraná, o número de trabalhadores por conta própria passou de 1,217 milhão para 1,239 milhão entre o terceiro trimestre do ano passado e o mesmo período de 2015, enquanto a população total ocupada caiu de 5,568 milhões para 5,435 milhões. No mesmo período, a participação das pessoas que trabalham por conta própria passou de 21,9% para 22,8% do total de pessoas em atividade.

Esta é a terceira vez que o IBGE divulga dados sobre o desemprego nos estados e a primeira em que são apresentadas informações sobre municípios das capitais e regiões metropolitanas.

 

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.