Araucária

Rebelião na Casa de Custódia entra no 3º dia e 4 agentes permanecem como reféns

rebelião na Casa de Custódia de Curitiba, localizada na Cidade Industrial, que começou no início da noite de domingo (1º), entrou no terceiro dia nesta terça-feira (3), ainda sem solução. As negociações com os presos foram interrompidas por volta das 17h40  e devem ser retomadas hoje.

Segundo informações apuradas no local, quatro agentes penitenciários ainda são mantidos reféns pelos detentos. Até agora, um servidor conseguiu se esconder e foi resgatado por uma equipe da Seção de Operações Especiais (SOE); enquanto outro trabalhador, que fez cirurgia na coluna, acabou sendo liberado pelos presos porque sofreu uma queda e se queixava de muita dor.

Para tentar dar um fim ao motim, uma das reivindicações dos rebelados, a transferência de sete presos do interior para a Casa de Custódia, chegou a ser autorizada pela Justiça. “Nós fizemos todo um acordo para tentar acalmar os ânimos. Esses detentos haviam sido levados para o interior por causa de uma confusão, uma briga interna. Agora, os rebelados pedem para que eles voltem. Aqui há presos excluídos de uma organização criminosa, e que cometeram delitos contra mulheres, e essa é a única penitenciária possível para um convívio entre eles”, explicou Ricardo Miranda, presidente do Sindarspen, sindicato que representa os agentes penitenciários.

No meio da tarde, no entanto, os presos que iniciaram o motim voltaram atrás na reivindicação e disseram que não era exatamente isso que eles queriam, o que fez a negociação voltar à estaca zero. Toda a situação foi acompanhada pela Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelos advogados dos detidos, para evitar confronto entre as partes envolvidas.

“Houve apenas um princípio de confusão ali, mas nada que gerasse transtorno. No momento em que o grupo de intervenção chegou mais perto para o processo de liberação, os presos ficaram com medo, mas não houve nenhum exagero da Polícia Militar ou de qualquer um”, completou Miranda.

De acordo com Alexandre Salomão, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, não houve nenhum registro de violência durante a tarde de hoje. “Não há feridos nem nada. A negociação está sendo conduzida tranquilamente e na normalidade. Por meio de todas as tratativas, foi acordado que nós participaríamos da entrada da polícia e de todos os outros processos, para garantir a atuação dos policiais e impedir abusos contra os presos”, comentou.

Questionado sobre a questão da transferência, a reivindicação atendida, Salomão defendeu que esse tipo de acordo não abre precedente que possa ser perigoso no futuro. “Essa ação não representa um reforço para nenhuma organização. Acredito que é mais uma possibilidade de os presos se manifestarem sem o medo de represália, uma colocação para conservar a vida dessas pessoas”.

O motim

O motim começou no início da noite de domingo (1), devido a uma briga entre grupos rivais dentro da Casa de Custódia. Após intervenção do SOE (Seção de Operações Especiais) os presos se mantiveram amotinados apenas em uma galeria.

Negociadores do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), unidade de elite da PM, estão em permanente contato com os detentos.

 

BANDAB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.