Paraná

Quadrilha de tráfico internacional tinha 7 da mesma família; drogas eram revendidas na Região

A organização criminosa dedicada ao tráfico internacional de entorpecentes presa pela Polícia Federal (PF) dentro da Operação Enigma, deflagrada nesta sexta-feira (17), tinha pelo menos sete pessoas da mesma família, entre pais, filhos, tios e primos. Os parentes eram os fornecedores das drogas com origem do Paraguai e com destino a Curitiba e região metropolitana. A maior ficava no Mato grosso do Sul e apenas dois irmãos atuavam em Curitiba, em contato direto com compradores. Segundo as investigações, o grupo movimentava 200 quilos de cocaína por mês.

O grupo tinha várias táticas para esconder os entorpecentes, até mesmo no ralo de residências. Ao todo, foram cumpridos 37 mandados de busca e apreensão e 28 de prisão. Pelo duas pessoas ainda estão foragidas. Além disso, dois homens foram presos em flagrante escondidos no forro de uma residência. Os mandados foram cumpridos no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Segundo o delegado Vinícius de Oliveira Binda, a quadrilha trazia a droga, em sua maioria crack e cocaína, de fornecedores do Paraguai através da fronteira com o Mato Grosso do Sul e enviava para Curitiba e cidades da Região Metropolitana.

“Eles atuavam em vários lugares, mas a venda maior acontecia nos bairros do Xaxim, Pinheirinho, CIC e também em alguns municípios da região Metropolitana. Traziam muita droga pra cá e revendiam em quantidades menores para outros traficantes”, afirmou o delegado. O transporte na maioria das vezes era feito em fundos falsos de caminhões

Drogas eram escondidas até em ralos de residências – Reprodução PF

A PF dá conta de que, para driblar as investigações, os integrantes da suposta organização estabeleceram um esquema lavagem de dinheiro que envolvia a ocultação e fracionamento das operações financeiras, a utilização de “laranjas” para realização de negócios envolvendo bens adquiridos pelo grupo, a compra de veículos de luxo, imóveis rurais e outros de alto padrão no litoral de Santa Catarina.

Um dos responsáveis por organizar o grupo já havia sido alvo de investigação por tráfico de drogas em outra ação da Polícia Federal e atua por muitos anos como traficante de drogas, de acordo com a corporação.

Aos investigados estão sendo imputados, dentre outros, os crimes de tráfico internacional de entorpecentes, associação para o tráfico, associação criminosa e lavagem de ativos. A Operação foi batizada de Enigma porque, em seu início, eram desconhecidos dos investigadores a estrutura de atuação e forma de comunicação dos alvos.

 

 

ESTADÃO

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.