Brasil

Profissionais da saúde e escolas alertam sobre os perigos da´roleta humana`; brincadeira viralisou na internet

“Desafio da rasteira” ou ´roleta humana´ é a nova `febre`, espalhada pelas redes sociais novamente, obrigou as autoridades de saúde e os colégios se manifestarem neste recomeço de aulas.  No fim do ano passado, uma brincadeira semelhante causou a morte de uma adolescente em Mossoró, no Rio Grande do Norte. Ela teve traumatismo craniano. A trollagem que consiste em derrubar uma pessoa com uma rasteira no momento em que ela salta.

Em Curitiba, o primeiro colégio a se manifestar foi o Positivo, que emitiu uma nota, onde pede a ajuda dos pais : “Informamos que o Colégio Positivo condena essa e qualquer tipo de ação que pode causar lesões aos alunos e trabalha de forma a conscientizá-los. Recomendamos às famílias que supervisionem, constantemente, o smartphone de seu (sua) filho (a) e conversem a respeito dos conteúdos que acessam e mensagens que trocam. A parceria escola-família é essencial para garantir a segurança, o bem-estar e o desenvolvimento dos estudantes”. Alguns alunos e professores fizeram vídeos de esclarecimento. 

A Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) emitiu um comunicado, nesta quarta (12), alertando pais e professores sobre o tal “desafio da rasteira” ou “desafio quebra-crânio”.  “Ele provoca uma queda brutal, onde um dos participantes bate a cabeça diretamente no chão, antes que possa estender os braços para se defender. Esta queda pode provocar lesões irreversíveis ao crânio e encéfalo (Traumatismo Cranioencefálico – TCE), além de danos à coluna vertebral. Como resultado, a vítima pode ter seu desempenho cognitivo afetado, fraturar diversas vértebras, ter prejuízo aos movimentos do corpo”, diz a nota. ” Deste modo, como sociedade, pais, filhos e amigos, devemos agir para interromper o movimento e prevenir a ocorrência de novas vítimas. Acompanhar e informar/educar sobre a gravidade dos fatos, pode ser a primeira linha de ação”, concluiu a nota.

Ortopedista especialista em cirurgia da coluna e coordenador da pós-graduação em cirurgia endoscópica de coluna na Universidade de São Paulo (USP), João Paulo Bergamaschi diz que os jovens não têm noção do risco de sofrer traumas graves e até morrer. “As pessoas que idealizaram não se atentaram à gravidade. É uma brincadeira que pode levar à morte, tanto que vitimou a adolescente no Rio Grande do Norte. O risco principal é para a cabeça. Quando se cai de costas, a cabeça fica muito exposta a ter um trauma direto, no crânio, ou uma lesão interna.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.