Curitiba

Polícia Científica ajuda a esclarecer acidente na BR-277

Segue em investigação o acidente ocorrido no último domingo (02.08), no km 76 da BR-277, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, com mais de 20 veículos envolvidos e 30 vítimas, incluindo oito óbitos. Para auxiliar os trabalhos, a Polícia Científica do Paraná faz análises de provas e exames complementares, para elaboração dos laudos periciais.

Ainda no dia do acidente, foi verificado o disco tacógrafo do caminhão, bem como todo o levantamento da dinâmica do evento pelo perito de local. Na sequência, na segunda-feira, os peritos médicos legistas realizaram as necropsias e as vítimas foram todas liberadas, já devidamente identificadas para os seus familiares.

Para o secretário da Segurança Pública, Marinho Soares, esta agilidade mostra a eficiência da instituição. “Soubemos que profissionais que estariam de folga e que ficaram impactados com o acidente, fizeram questão de colaborar com o trabalho da Polícia Científica. Além de demonstrar o respeito às famílias e vítimas, a força-tarefa demonstrou agilidade e competência de todos”, afirmou.

TRABALHOS – Juntamente com outras instituições da Segurança Pública, o trabalho da Polícia Científica começou ainda no local do acidente. Enquanto os bombeiros militares, médicos e enfermeiros ficaram responsáveis pela remoção e o atendimento às vítimas, peritos da Polícia Científica faziam os procedimentos de medição do local, levantamento de dados e coleta de evidências.

“O trabalho da Polícia Científica é contar a história do acidente, ou seja, explicar as causas e entender o que aconteceu. Para isso, equipes do Instituto de Criminalística e do Instituto Médico Legal são enviados ao local, para fazerem a materialização do caso e, desta forma, poderem, por exemplo, reconstituir a cena do ocorrido o mais precisamente possível”,, explicou o diretor-geral da instituição, Luiz Rodrigo Grochocki.

Um dos profissionais que está trabalhando no caso é o perito criminal de acidente de trânsito e designer gráfico Fernando Imay. “O trabalho do perito de localística é fazer a coleta do maior número de informações possíveis acerca da ocorrência, para serem reproduzidas e analisadas, evitando ao máximo a perda de informações”, explicou.

Esta etapa do processo é a que determinará os passos seguintes na elucidação do caso. Para tanto, segundo ele, a área de isolamento do caso é de grande importância para que os profissionais da Polícia Científica possam trabalhar.

“A preservação da cena de um ocorrência que deixe vítimas fatais e que demanda um perito no local é uma das etapas mais importantes para que o trabalho de perícia seja efetivo. De nada adianta uma análise pericial extremamente bem feita em cima de elementos adulterados”, afirmou Imay.

ANÁLISE LABORATORIAL – Após a coleta, o material é encaminhado aos laboratórios da Polícia Científica, onde passa por análises e exames complementares. “Todos os materiais são processados, embalados e examinados. No caso do acidente, trouxemos, por exemplo, o disco do tacógrafo do caminhão envolvido no fato. O qual apontou uma velocidade média de 75 km/h”, explicou o perito.

Após tudo ser analisado, o perito elabora o laudo pericial. “A gente faz uma reprodução do local, faz um diagrama técnico, no caso do acidente de trânsito e vamos verificar todos os vestígios e causas e faremos cálculo da velocidade de alguns veículos, por exemplo. Muitas vezes, é nesse momento que se forma a conclusão da causa do fato”.

RECONSTRUÇÃO – Outra etapa do processo é a reconstrução da ocorrência. No caso do acidente do km 76 da BR-277, de acordo com Imay, a ideia desta parte da perícia é entender o posicionamento dos veículos envolvidos antes do acidente. Será retratada a posição dos carros, onde estavam antes do embate com o caminhão. A análise, basicamente, é uma montagem de quebra-cabeça.

Para isso, são usados todos os recursos tecnológicos e manuais possíveis. “Usamos vários softwares, e o que mais for necessário. A gente busca tirar uma conclusão o mais completa possível, com o máximo de elementos que possam auxiliar a investigação policial judiciária. Tem que ser robusto, para responder qualquer dúvida técnica acerca do caso”, diz o perito.

IMPACTO – Com 23 veículos envolvidos, sendo 16 carros leves, cinco motos, um caminhão e uma viatura policial, o acidente que vitimou 30 pessoas (oito fatais) marcou, também, a carreira de Fermando Imay. “Após 10 anos de experiência como perito de localística e cinco trabalhando com acidentes de trânsito, esse foi, sem dúvidas, o maior acidente que eu já vi, então é muito impactante. O grau de lesão das vítimas também chamou muita atenção”, relatou.

Junto com o profissional, entram em ação, também, os equipamentos de medição e registro de imagens. Embora o plano varie de acordo com a ocorrência, o trabalho do perito criminal de acidente de trânsito é sempre muito semelhante, independente das proporções do incidente. “A gente começa fazendo todas as medições, passa para o registro fotográfico da cena e das vítimas fatais, coleta de evidências e, depois, análise de tudo. Mas é claro, em um acidente de grandes proporções, o que muda é o grau de complexidade”, resumiu Imay.

“Basicamente é um quebra-cabeça, com muitas peças móveis, mas é uma responsabilidade muito grande e que precisa ser elaborado independente de qualquer sentimento ou opinião pessoal, afinal, é um perito que está falando. Justamente por isso, inclusive, é preciso que ele coloque no papel apenas o que ele tem certeza. No fim, é importante que ele pense que o que ele fizer ou outro fizer não poderia ser diferente”, destacou o perito.

VÍTIMAS – Dentre as oito vítimas fatais do acidente, sete tinham menos de 30 anos; cinco eram mulheres e três eram homens. Através do sistema de identificação do Estado, o Instituo Médico legal pode constatar que cinco das vítimas fatais eram naturais de Curitiba, uma de São José dos Pinhais e outra de Telêmaco Borba.

Ainda na manhã de segunda-feira equipes da Polícia Científica identificaram, necropsiaram e liberaram os oito corpos. As outras 22 vítimas, de acordo com o Corpo de Bombeiros, foram encaminhadas ao Hospital Cajuru, Hospital do Trabalhador, Hospital Evangélico, Hospital do Rocio e Pronto Socorro de São José dos Pinhais.

VEÍCULOS – Ainda segundo o Corpo de Bombeiros, 23 veículos envolvidos no acidente foram removidos do local, sendo 16 carros leves, cinco motos, um caminhão e uma viatura policial.

AEN

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.