Mundo

Pobreza infantil deve aumentar 15% por causa da covid-19, diz Unicef

Um ano depois da covid-19 ter sido declarada uma pandemia, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) avalia que o impacto da doença para as crianças é “devastador”. Em informe publicado esta semana, o organismo das Nações Unidas (ONU) aponta que, nos países em desenvolvimento, a previsão é que a pobreza infantil aumente cerca de 15%. Estima-se que 140 milhões de crianças passarão a viver abaixo da linha da pobreza nesses países, em decorrência dos estragos da pandemia.  

Até março de 2021, segundo o Unicef, 13% dos 71 milhões de infecções por covid-19 em 107 países (que representam 62% do total de infecções globais) eram entre crianças e adolescentes com menos de 20 anos. Mais de 168 milhões de crianças e adolescentes em idade escolar em todo o mundo estão sem aulas há quase um ano. Dois terços das escolas com fechamento total ou parcial estão em países da América Latina e Caribe.

O Unicef também aponta que cerca de 10 milhões de casamentos infantis a mais poderão ocorrer antes do final da década, ameaçando anos de progresso na redução da prática. Pelo menos uma em cada sete crianças e jovens viveu sob políticas de permanência em casa durante a maior parte do último ano, o que levou a sentimentos de ansiedade, depressão e isolamento, destacou a entidade.

Até novembro de 2020, mais de dois terços dos serviços de saúde mental para crianças e adolescentes estavam interrompidos em todo o mundo. Entre 6 e 7 milhões de crianças menores de 5 anos podem ter engrossado as estatísticas de baixo peso e desnutrição causadas pelos efeitos da pandemia ao longo de 2020. Com esse aumento, quase 54 milhões de crianças estão com baixo peso, um crescimento de 14%, o que tem potencial para ampliar em 10 mil o número de mortes infantis a mais por mês, principalmente em países da África, sul do deserto do Saara e na Ásia Meridional. 

As pausas nas campanhas de vacinação contra o sarampo em 26 países pode deixar cerca de 94 milhões de pessoas sem imunização contra essa doença. A falta de condições de higiene também é um agravante para um número imenso de habitantes do planeta.

“Cerca de 3 bilhões de pessoas em todo o mundo não possuem instalações básicas para lavar as mãos com água e sabão em casa. Nos países menos desenvolvidos, três quartos das pessoas, mais de dois terços das escolas e um quarto dos estabelecimentos de saúde carecem dos serviços básicos de higiene necessários para reduzir a transmissão da covid-19. Em média, 700 crianças menores de 5 anos morrem todos os dias de doenças causadas pela falta de água, saneamento e higiene”, informou o Unicef.

Agência Brasil

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.