BrasilPolítica

Planalto freia debandada às vésperas da votação; oposição se diz confiante

O governo conseguiu nesta sexta-feira, 15, estancar a debandada de votos de deputados iniciada na terça-feira passada com a saída do PP da base. A oposição, no entanto, permanecia, segundo o Placar do Impeachment do Estado, com o total de apoios necessários para aprovar o impeachment da presidente Dilma Rousseff na sessão prevista para amanhã, no plenário da Câmara.

Segundo o levantamento, 343 deputados se declaravam a favor do afastamento. São necessários 342. A ofensiva do Palácio do Planalto contou com a ajuda de seis governadores de Estado que foram até Brasília. Também participaram da operação ex-governadores, ministros, líderes de bancadas e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Apesar do esforço concentrado dos governistas, a oposição à presidente Dilma ainda se diz confiante de que o impeachment será aprovado neste domingo. De acordo com líderes oposicionistas, o assédio do Planalto aos deputados inclui promessas de cargos e cobranças de compromissos assumidos no passado.

O vice-presidente da República, Michel Temer, anunciou que acompanhará a votação em São Paulo, onde, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, ele fará reuniões com vistas à formação de um futuro governo caso Dilma Rousseff venha a ser afastada pelo Congresso. Na Câmara, teve início ontem a primeira sessão que debaterá e analisará o impeachment de Dilma. A votação deve ocorrer neste sábado, 16, à noite.

Dilma cancelou um pronunciamento que faria na noite dessa sexta, 15, em cadeia de rádio e televisão. Ela foi aconselhada a desistir por questões jurídicas e pelo temor de um novo panelaço De acordo com assessores e parlamentares que estiveram com Lula ontem em um hotel de Brasília, o ex-presidente tem feito uma avaliação “realista” sobre a votação na Câmara e não dá a disputa por perdida, mas reconhece uma enorme dificuldade.

Embora não tenha desistido, o ex-presidente tem manifestado inconformismo em relação à crise política e apontado os erros de Dilma Rousseff na condução do processo. Como reação ao impeachment, movimentos sociais fecharam rodovias em todo o País As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.