Paraná

Pets x Fogos de Artifício: dicas para amenizar o medo do seu animal de estimação

A passagem do ano é marcada por confraternizações com som alto e fogos de artifício. Para alguns, uma forma de celebrar o início de um novo período. Para muitos, um momento de preocupação com seus animais de estimação. A audição dos cães e gatos faz com que eles escutem quatro vezes mais que o homem. Esse fator, associado à não compreensão dos motivos dos fogos, gera medo nos animais e pode trazer consequências graves.

Estresse, traumas emocionais, quedas, fugas e, até mesmo, paradas cardiorrespiratórias são algumas consequências que podem afetar os pets durante a queima de fogos. “O tutor deve observar com antecedência a intensidade do medo do seu pet com sons altos e fogos de artifício e procurar auxílio profissional. O cuidado deve ser ainda maior com animais idosos ou cardiopatas”, aconselha o médico veterinário e responsável técnico do HiperZoo, Adolfo Yoshiaki Sasaki. Um especialista em comportamento canino pode auxiliar os tutores com técnicas de dessensibilização. “O trabalho consiste em recriar os estímulos que deflagram o comportamento medroso, porém com baixa intensidade, evitando o aparecimento de estresse e medo. Gradativamente o estímulo é aumentado, buscando a não resposta do animal”, explica o comportamentalista canino do Meu Cão Companheiro, Rafael Wisneski. No entanto, essa técnica exige alguns meses de trabalho conjunto entre o profissional e o tutor.

Para o ajudar a amenizar o estresse e ansiedade dos animais no momento dos fogos, o veterinário sugere recursos como manter o animal em local onde se sinta em segurança, preferencialmente dentro de casa com janelas e portas fechadas. Também deve-se evitar deixar o animal acorrentado, já que ele pode se machucar ao tentar fugir ou se esconder com o barulho dos fogos. “O ambiente fechado ajuda a reduzir o ruído dos fogos e também protege contra eventuais tentativas de fuga. Além disso, nunca devemos esquecer de manter os animais com coleira, placa de identificação e microchip, para que sejam facilmente identificados caso consigam fugir”, alerta Sasaki. Música suave também ajuda a acalmar e disfarçar os ruídos, assim como a utilização de pequenas bolas de algodão nos ouvidos.

No pet center também é possível encontrar diversas opções de produtos como florais, homeopáticos e calmantes naturais, palitos com ingredientes calmantes e feromônios sintetizados que promovem o bem-estar e induzem o animal a relacionar o ambiente a uma área de proteção e conforto. Outra dica é manter o pet distraído com brinquedos que podem ser recheados com petiscos e alimentos úmidos, mantendo a atenção do animal no objetivo de retirar o alimento. Quanto antes esses recursos forem inseridos na rotina dos pets, melhores serão os resultados.

“O ideal é buscar orientação do médico veterinário, que conhece o perfil e saúde do animal, para indicar as melhores alternativas e doses adequadas. E não fazer uso de dicas e medicamentos sugeridos por conhecidos ou na internet sem antes consultar seu veterinário”, alerta Sasaki.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.