Brasil

Pesquisa paranaense salva diabéticos da amputação

Pair of Human Hands Checking the Blood Pressure of a Patient --- Image by © Royalty-Free/Corbis

Um novo tratamento para quem sofre com o adoecimento das artérias e corre o risco de ver um membro amputado por esse motivo se desenha no Laboratório de Tecnologia Celular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Experiências realizadas com células-tronco adultas já salvaram oito dos dez pacientes que se submeteram ao experimento da amputação de pés e pernas.

Agora, a equipe do médico Paulo Brofman, que coordena os estudos, se prepara para atender a outros quatro voluntários. Todos correm o risco de perder um membro devido a isquemia do membro inferior. Essa doença reduz o fluxo sanguíneo que chega às pernas e pés. Em um estágio muito avançado, pode haver o aparecimento de feridas que não saram, a necrose do tecido e, por fim, a necessidade de amputação do membro. Esse quadro costuma ser uma complicação da diabetes, principalmente do tipo 2.

Estima-se que pacientes diabéticos tenham até 40 vezes mais chance de submeter-se a uma amputação de membro inferior do que o resto da população. Com o tratamento com células-tronco, essa taxa poderá ser reduzida. “Acreditamos que em alguns anos essa pesquisa possa se tornar um procedimento médico, que será utilizado pelo Sistema Único de Saúde. Mesmo porque é muito mais caro tratar um amputado do que arcar com os custos de um tratamento com essas células”, argumenta Brofman.O tratamento desenvolvido pela equipe liderada por Brofman consiste na retirada de medula óssea do osso do quadril do paciente por meio de uma punção. Esse material é processado, para que sejam separadas as células-tronco presentes nele. As células são injetadas na perna e no pé doente do paciente e ajudam na recuperação das artérias doentes. Com a capacidade de se transformar em outro tipo de células, elas auxiliam na formação de novos vasos e na circulação colateral.

Demora

Ainda não se sabe ao certo quando a pesquisa realizada na PUCPR chegará aos hospitais do país. Os pesquisadores esperam, em até dois anos, conseguir demonstrar a eficiência do uso de células-tronco para o tratamento da isquemia de membros inferiores. Depois disso, ainda será necessário obter a liberação do Conselho Federal de Medicina e depois da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Por fim, o Ministério da Saúde avaliará se o procedimento entrará no rol do SUS.

A demora para que os resultados das pesquisas com células tronco cheguem ao público não é exclusividade do Brasil. Ainda novas, essas terapias precisam passar por anos de testes que comprovem eficiência e a consequência delas no longo prazo antes de serem liberadas. Por hora, o único tipo de terapia celular liberada no Brasil é o transplante de medula óssea. A expectativa é de que esse quadro mude nas próximas décadas, com o avanço das pesquisas na área.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.