FamososParanáPolítica

Parte de salário era devolvida a deputado Gilberto Ribeiro, diz ex-funcionária da Alep

Duas ex-funcionárias do deputado estadual Gilberto Ribeiro (PSB) acusam o parlamentar de reter parte do salário de pessoas que trabalham no gabinete dele, na Assembleia Legislativa do Paraná. Em depoimento ao Ministério Público Estadual (MP), uma delas admitiu que devolvia diretamente a Ribeiro mais da metade da remuneração mensal. Ela autorizou a quebra do próprio sigilo bancário para comprovar a suposta irregularidade. O parlamentar nega a acusação.

Conforme depoimento prestado no dia 22 de outubro, Emanoelli Secchi da Silva afirmou ter trabalhado para Ribeiro do final de 2013 até fevereiro deste ano. Nas alegações ao MP, ela disse ter sido procurada pelo parlamentar por indicação da mãe, Alice Secchi, que é servidora concursada da Assembleia e estava cedida ao gabinete dele. Na época, Emanoelli era estagiária de Direito no Departamento de Execução Penal (Depen) e foi contratada para trabalhar durante a tarde no Legislativo, auxiliando na elaboração de projetos de lei.

Segundo Emanoelli, Ribeiro disse que ela teria que devolver parte do salário a ele. No depoimento, a hoje advogada afirmou que aceitou a oferta, mesmo sendo prejudicada, porque sua remuneração saltaria de um salário mínimo para cerca de R$ 2 mil. Do salário líquido de R$ 5,4 mil recebidos por ela, conforme dados do Portal da Transparência, Emanoelli declarou que ficava com R$ 2,2 mil. O restante era sacado no caixa eletrônico e devolvido ao próprio Gilberto Ribeiro.

Ela ainda disse ao MP que Leila Soriani e Eliseu Meira também devolviam dinheiro ao parlamentar. Já a mãe dela, Alice Secchi, afirmou que não era segredo dentro do gabinete, “porque todo mundo comenta”, que os funcionários Dinho e Kiko entregam parte do salário a Leila. Eles estariam lotados na 3.ª vice-presidência da Assembleia, comandada por Ribeiro. De acordo com Alice, Leila era quem coordenava a arrecadação, além de ser responsável por cuidar das contas do gabinete e da vida financeira privada do parlamentar, inclusive com acesso à conta bancária dele.

Mais denúncias

Ao MP, Emanoelli declarou também que, ao exonerá-la da Assembleia, Ribeiro a indicou para trabalhar no Consórcio Metropolitano de Saúde do Paraná (Comesp), onde atua hoje. Lá, descobriu que a esposa do parlamentar, Nanci Ribeiro de Camargo, também trabalha no local. Em troca, Gilberto Ribeiro teria nomeado na Assembleia uma sobrinha do presidente do Comesp e prefeito de Quatro Barras, Loreno Tolardo, num suposto nepotismo cruzado. Promotor de Proteção ao Patrimônio Público e responsável pelo caso, Fábio Guaragni informou apenas que as investigações estão em andamento. Ele disse não poder dar detalhes do processo para não atrapalhar os trabalhos do MP.

 

PrOn

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.