Paraná

Paraná registra um caso de violência contra a mulher a cada 16 minutos

Os casos de violência contra a mulher estão em evidência no Paraná. Segundo informações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), divulgados no estudo “O Poder Judiciário na Aplicação da Lei Maria da Penha”, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) foi o quinto tribunal brasileiro que registrou maior número de novos casos de violência doméstica contra a mulher em 2017, com um total de 32.441 processos.
O número indica que, por dia, a Justiça paranaense recebe uma média de 89 casos desse tipo, ou ainda um novo processo a cada 16 minutos. Na comparação com 2016, quando haviam ingressado no judiciário 27.747 novos casos, houve aumento de 16,9% no volume de processos, com a taxa de ocorrência a cada mil mulheres residentes no estado subindo de 4,9 para 5,8.
Ainda de acordo com o CNJ, de toda a demanda de casos que corriam no âmbito do TJ-PR ao final de 2017, 49% ainda não haviam sido julgados, com um total de 49.794 casos de conhecimento criminais pendentes. A taxa de congestionamento, contudo, é menor do que a verificada em 2016 (71%), fruto da quantidade de processos baixados (35.149) ter sido superior a de novos processos, com o Índice de Atendimento à Demanda atingindo 110%.
De acordo com a desembargadora Lenice Bodstein, que comanda a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (CEVID-TJPR), os números indicam que o combate à violência contra a mulher têm surtido resultados ao longo dos últimos anos, já que o número de casos que chegam ao conhecimento da Justiça tem crescido.

Estado tem o menor número de Varas e Juizados exclusivos 
Ainda conforme o levantamento do CNJ, o Paraná conta apenas com uma vara e juizado exclusivo em violência doméstica, o menor número do país ao lado de outros cinco estados (Santa Catarina, Sergipe, Rondônia, Acre e Piauí), mas todos com tribunais de menor porte. Além disso, o judiciário paranaense também conta com seis setores psicossociais especializados no atendimento à vítima.
Apesar disso, o estado está entre os 15 dos 27 tribunais estaduais que possuíam equipe de atendimento considerada adequada pelo CNJ. Ademais, destaca a desembargadora Lenice Bodstein, mesmo tendo um baixo número de varas e juizados exclusivos, “todas as comarcas do Paraná fizeram capacitações de profissionais para esse atendimento específico”.

21.002 medidas protetivas 
foram concedidas pelo TJ-PR em 2017, número 16,9% superior ao verificado em 2016, quando haviam sido concedidas 17.964 medidas que obrigam o agressor a uma conduta (como, por exemplo, proibição de aproximação ou de contato com a ofendida). Curiosamente, o aumento é igual ao verificado no número de casos novos, o que também fez subir o índice de medidas concedidas a cada mil mulheres, que passou de 3,2 no ano retrasado para 3,7 no ano passado.

Caso de feminicídio em Guarapuava
Um caso paranaense ganhou repercussão nacional nesta semana. A morte da advogada Tatiane Spitzer, que morreu no dia 22 de julho, em Guarapuava, supostamente depois de uma queda do quarto andar do apartamento onde morava com o marido, que é o principal suspeito. Nesta semana ele foi indiciado por feminicídio. Na semana que vem o Ministério Público deve decidir se oferece denúncia contra ele.
“A lei (Maria da Penha) tirou aquele caráter apenas cultural da violência contra a mulher, a visão de que ‘sempre foi assim’. Muitas mulheres não sabiam que esses atos não são normais, são indevidos e constituem uma violência. Mas claro que ainda tem muito para andar… Muito, muito, muito”, afirma ela.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.