Brasil

Para fazer caixa, governo federal desiste de buscar energia mais barata

Ao mudar as regras para o leilão de hidrelétricas antigas, marcado para 6 de novembro, o governo federal sepultou a busca por uma energia mais barata. A licitação, antes alardeada como oportunidade para aliviar a pressão sobre os consumidores, virou uma chance para cobrir parte do buraco das contas públicas.

O objetivo do governo é receber R$ 17 bilhões das empresas que vencerem o leilão. A cobrança de outorga, inédita desde a remodelação do setor, fará com que as tarifas dessas usinas fiquem maiores do que seriam se a licitação fosse feita pelo sistema convencional.

INFOGRÁFICO: conheça as usinas que serão leiloadas no Paraná e no restante do país

Até poucos meses atrás, o governo projetava uma redução de 82% na tarifa média dessas hidrelétricas, que após o leilão baixaria de R$ 150 para algo próximo a R$ 27 por megawatt-hora (MWh). Com isso, a despesa dos brasileiros com a conta de luz poderia recuar R$ 6 bilhões, ou 5% do faturamento anual das distribuidoras. A explicação era de que, como essas usinas já tiveram seus investimentos recuperados, a tarifa não precisaria mais embutir a remuneração do capital.

Com a mudança de regra, a expectativa é de que os novos preços fiquem entre R$ 80 e R$ 90 por MWh. É menos que o custo médio de geração hídrica no país, estimado pelo Ministério de Minas e Energia em R$ 118 por MWh, mas bem mais que a ideia original do governo.

O conceito de “modicidade tarifária” era uma constante no discurso oficial desde o primeiro governo Lula, e foi levado ao extremo em 2012, quando a presidente Dilma Rousseff propôs a renovação antecipada de concessões como uma forma de derrubar o preço da energia em 20%. O pacote impôs prejuízos bilionários à Eletrobras, obrigada a aceitar uma remuneração irrisória pela produção de suas usinas, e deu origem a despesas que ainda vão chegar à fatura do consumidor.

No único leilão de hidrelétrica antiga realizado até agora, em março de 2014, havia prevalecido a tese da modicidade. Com isso, a tarifa da usina paulista de Três Irmãos, que pertencia à Cesp, caiu a R$ 17 por MWh. Patamar que, para muitos especialistas, mal remunera a operação e a manutenção da usina.

Na avaliação de Roberto Pereira D’Araújo, diretor do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Energético (Ilumina), o Planalto partiu de um extremo a outro. “A estratégia é atender problemas de curto prazo. Como está precisando de dinheiro, ele muda as regras”, diz.

“Agora existem usinas velhas do tipo A e usinas velhas do tipo B. Para o grupo da Eletrobras, que praticamente doa energia, o discurso era de que o povo já tinha pago. Agora, a história é outra”, completa D’Araújo.

LEIA MAIS: Acha que a conta está cara? Pode piorar: passivos podem encarecer tarifa

Otimismo

Embora admita que o consumidor do mercado regulado vá ser mais onerado, Thais Prandini, diretora-executiva da consultoria Thymos Energia, elogia a mudança na regra e as medidas anunciadas pelo governo para atrair investidores estrangeiros. “A concorrência vai aumentar. Antes, a chance de atrair interessados era pequena”, avalia.

Para a engenheira, a possibilidade de vender 30% da energia ao mercado livre a partir de 2017 também é positiva. Anteriormente, esse ambiente de contratação, restrito a grandes consumidores, não teve acesso à energia de hidrelétricas antigas.

UM LEILÃO DIFERENTE

A licitação de usinas antigas será diferente do modelo tradicional de concessões do setor elétrico. Veja por quê:

1 As 29 usinas que serão leiloadas em 6 de novembro são aquelas cujos antigos donos não aceitaram renovar as concessões em 2013.

2 Na renovação de outras concessões antigas, a tarifa imposta pelo governo federal ficou abaixo de R$ 30 por megawatt-hora (MWh) em muitos casos. O objetivo era reduzir a conta de luz em 20%.

3 A estatal Eletrobras foi obrigada a aderir e passou a ter prejuízos bilionários. Empresas comoCesp, Cemig e Copel não aceitaram as condições. Por isso algumas usinas suas vão a leilão.

4 Em 2014, o governo leiloou a primeira usina da leva das “não renovadas” – a de Três Irmãos, da Cesp. O consórcio que a arrematou está recebendo R$ 17 por MWh .

5 Para reforçar o caixa, o governo decidiu mudar as regras para o novo leilão.

6 Em cada lote, conquistará a concessão por 30 anos quem aceitar receber a menor tarifa para a energia entregue ao mercado regulado. Desta vez, o preço máximo é de R$ 126,50 por MWh.

7 Em 2016, 100% da energia negociada tem de ser entregue ao mercado regulado, onde estão os consumidores residenciais. A partir de 2017, 30% poderá ser vendida no mercado livre ou no mercado à vista, a preços negociados com grandes consumidores.

8 O que há de diferente no leilão é que a empresa vencedora pagará ao governo uma“bonificação de outorga” , algo inédito desde a remodelação do setor, em 2004.

9 65% da outorga terá de ser paga neste ano, na assinatura do contrato de concessão. Os 35% restantes têm de ser pagos em 180 dias.

10 Na prática, quem vai pagar essa bonificação são os consumidores, uma vez que ela será “diluída” na tarifa para o mercado regulado.

PREPARE O BOLSO

Acha que a conta de luz está cara? Pois pode piorar. Há um grande risco de o governo incluir esses passivos na tarifa:

R$ 34 bilhões

Empréstimos feitos pelo governo federal para socorrer distribuidoras. Serão diluídos nas contas dos consumidores por cinco anos a partir de 2016.

R$ 20 bilhões

É o custo do “déficit hídrico” (diferença entre a energia que as hidrelétricas geraram e a que elas deveriam ter produzido). Com a falta de chuva, elas tiveram de cobrir esse déficit comprando energia no mercado à vista.

R$ 17,9 bilhões

Indenização de sistemas de transmissão existentes antes de 2000, cuja concessão foi renovada antecipadamente em 2013. É um “efeito colateral” da medida provisória 579.

R$ 17 bilhões

Pagamento das “bonificações de outorga” no próximo leilão de hidrelétricas antigas.

R$ 11,5 bilhões

Custos de medidas adotadas para reforçar a oferta de energia e afastar racionamento em 2015 ( como a importação de energia de Argentina e Uruguai).

R$ 9,7 bilhões

Indenização por investimentos não amortizados nas hidrelétricas renovadas em 2013. É outro “esqueleto” da MP 579.

R$ 8,1 bilhões

Valores não pagos da Conta de Consumo de Combustíveis Fósseis (CCC), que banca o funcionamento de termelétricas em sistemas isolados do Norte.

R$ 6,1 bilhões

Custo da geração termelétrica que não está sendo coberto pelas bandeiras tarifárias.

R$ 1,6 bilhão

Custo anual do repasse de toda a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) aos consumidores “convencionais” de energia – as grandes indústrias conseguiram na Justiça se livrar do rateio dessa conta.

R$ 845 milhões

Tributos sobre as operações com “energia de reserva”, um mecanismo de contratação de fontes renováveis.

 

GAZETA DO POVO

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.