Araucária

PANDEMIA: Prefeitura de araucária envia projetos à Câmara Municipal para equilibrar contas e garantir salários e manutenção de serviços públicos

A crise causada pela pandemia do novo Coronavírus tem (ou terá) impacto direto também na administração pública. Com a economia em queda, a arrecadação de impostos, que são a fonte de recursos para diversos serviços públicos, também terá impacto negativo. Por isso, a Prefeitura de Araucária está tomando medidas para evitar que a redução de recursos comprometa os serviços prestados à população em poucos meses. A previdência dos servidores municipais e a folha de pagamento são alguns dos pontos de preocupação no momento. 

Por meio do projeto de lei 2.330/20, há previsão de suspensão do pagamento da cota patronal (a parte do Município) destinada ao Fundo de Previdência Municipal de Araucária (FPMA) até o mês de dezembro de 2020. Essa medida está autorizada por meio da lei complementar 173/20, do Governo Federal, que trata de medidas para que os municípios possam ter recursos para combater o novo Coronavírus. A Prefeitura estima que, com isso, possa garantir cerca de R$ 23 milhões (de junho a dezembro) para garantir, inclusive, o próprio salário dos servidores durante este período. Para fins de comparação, de março a maio de 2020, a arrecadação do município caiu cerca de R$ 30 milhões. É importante esclarecer que o recurso voltado ao FPMA será destinado na sequência, sem prejuízos. 

Outra medida, por meio do projeto de lei 2.333/20, é a adequação da contribuição previdenciária dos servidores municipais ao que está previsto na Reforma da Previdência, aprovada pelo Congresso Nacional em 2019. Hoje, os servidores contribuem com 11%. Pela reforma aprovada, os municípios com regime próprio de previdência não podem ter alíquota menor que a prevista para os servidores da União, que é 14%. Essa adequação se faz necessária porque o município pode sofrer penalidades (como bloqueio de recursos) se não fizer. 

Já o projeto de lei 2.334/20 propõe alterar a metodologia de pagamento da parte patronal dos servidores aposentados contratados até 1999 (antes da criação do FPMA). O pagamento deles é dividido entre a Prefeitura e o FPMA. O projeto propõe simplificar as conta por meio de um repasse anual ao FPMA, em vez de precisar realizar cálculos todos os meses. Outra vantagem é que, com isso, esse recurso não entrará mais na conta de gasto com pessoal, índice importante dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal.

EMENDAS – As medidas também contaram com a participação da Câmara Municipal. Por meio de uma substitutiva, vereadores propuseram que o valor economizado com a suspensão temporária do pagamento da cota patronal seja destinado exclusivamente para cobrir gasto com pessoal. Os legisladores também estabeleceram que o Município deve iniciar o pagamento desses valores suspensos em 31/01/21, com atualizações monetárias necessárias, e prazo total de 48 meses. Trata-se de um reforço no texto para mostrar que, em nenhum momento, os direitos garantidos dos servidores serão deixados de lado pelo Município.

SMCS

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.