BrasilPolítica

Oposição vai ao STF por impeachment de Dilma Rousseff

Passada a semana marcada pela denúncia que coloca o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na condição de réu da Operação Lava Jato, pela revelação de trechos de uma delação premiada em negociação pelo senador Delcídio Amaral (PT-MS) e pela ação policial da força-tarefa que mira no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a oposição vai concentrar esforços para retomar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.

Além de obstruir votações no plenário até que seja instalada a comissão que vai analisar o processo, um grupo de deputados pediu audiência com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, para falar sobre o assunto. Os parlamentares esperam que o Supremo publique o acórdão do julgamento do rito do impeachment o quanto antes, para que a comissão possa ser instalada.

A expectativa é de que isso aconteça já amanhã, mas a Corte ainda terá de julgar os recursos apresentados por Cunha. Mesmo à mercê do ritmo que será adotado pelos ministros do STF, a avaliação de líderes de partidos como o PSDB e o DEM é de que a oposição não pode desperdiçar este momento de fragilidade do governo e precisa agir unida para levar a discussão sobre o afastamento de Dilma ao plenário.

A delação premiada de Delcídio, ex-líder do governo no Senado, que deve ser homologada nos próximos dias pelo Supremo, é considerada o ponto central para dar impulso ao processo de afastamento da petista.

Aditamento

A oposição vai pedir que as informações que já circularam, especialmente a de que a presidente teria atuado para interferir em processos judiciais da Operação Lava Jato, sejam incorporadas tanto ao processo de impeachment na Câmara quanto à ação que pede a cassação do mandato de Dilma no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os parlamentares da oposição também apostam na manifestação contra o governo, marcada para domingo, como catalisador do processo. “A oposição está toda mobilizada. Não há dúvida que tanto o processo do impeachment quanto a ação do TSE ganharam força”, disse o deputado Antonio Imbassahy (BA), líder do PSDB na Câmara.

Apesar de a oposição considerar que ação policial em torno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desgastou o governo, a avaliação é de que Lula conseguiu emplacar o discurso de vítima após o mandado de condução coercitiva que o obrigou a prestar depoimento.

“A estratégia é colocar o processo do impeachment para rodar logo. O Lula é um problema da polícia”, disse o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM).

O líder descartou a votação de qualquer matéria que ajude a economia nos próximos dias, mesmo com os pedidos do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, em meio à crise econômica. “Sem chance de votar qualquer medida econômica agora”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Estadão Conteúdo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.