Brasil

Oi demite 1,1 mil em programa de reorganização e Azul corta linhas de viagens aéreas

telefonia041139Da Redação com agências

 

Maior operadora de telefonia fixa e a quarta maior operadora de telefonia móvel do Brasil, a Oi anunciou que irá demitir 1070 funcionários em abril. O número representa 6% do quadro de funcionários diretos e, segundo a Oi, faz parte de mais uma etapa de um plano de reorganização iniciado em 2014 simplificar a estrutura da empresa. Outra empresa que deve demitir funcionários nos próximos meses é a Companhia Aérea Azul, que deve dispensar 700 trabalhadores.

Segundo reportagem publicada pela Reuters, as demissões atingem todos os níveis da Oi e se somam ao corte de cerca de 150 diretores e gerentes em outubro passado. O ajuste no quadro de pessoal faz parte de uma ampla estratégia do presidente da Oi, Bayard Gontijo, de fortalecer a saúde financeira da empresa, que tem alto endividamento e ainda ressente da fracassada fusão com a Portugal Telecom.

Segundo comunicado da Oi à Reuters, com os desligamentos e o bloqueio de número não informado de vagas que estavam abertas, o grupo de telecomunicações reduzirá em ao redor de 20% suas despesas relacionadas à estrutura de pessoal.

“O ano de 2015 é desafiador em todo o contexto macroeconômico do país e também no setor de telecomunicações. Considerando este cenário e os próprios desafios da companhia, a Oi desenvolveu um plano orçamentário para 2015 para assegurar ganhos de produtividade e de rentabilidade”, disse a Oi à Reuters.

Na últimas semanas, sindicatos de trabalhadores de telecomunicações buscaram agendar audiência com representantes da Oi, em meio a rumores de demissões na empresa.  O presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores de Empresas de Telecomunicações (Fenattel), Almir Munhoz, disse à Reuters ter sido informado pela Oi que o Estado mais afetado pelos cortes será o Rio de Janeiro, onde fica a sede do grupo.

De acordo com o sindicalista, a Fenattel demandou benefícios aos demitidos, tais como convênio médico e um salário por ano trabalhado, com o objetivo de minimizar o impacto aos dispensados.

Demissões em outras empresas

A federação informou ainda que a Telefônica Brasil, que opera a marca Vivo, demitiu cerca de mil pessoas em fevereiro. Neste mês, a Nextel cortou 1 mil funcionários em São Paulo. Procuradas, Telefônica Brasil e Nextel confirmaram a realização de ajustes em seus quadros de empregados, mas não revelaram quantos funcionários foram atingidos.

A Telefônica Brasil promoveu “uma reorganização em suas áreas com o objetivo de obter maior sinergia de processos e atividades” em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, por meio de programa de demissões voluntárias.

A Nextel disse que reestruturou sua área de serviço de atendimento ao cliente para “otimizar recursos e consolidar um modelo sustentável para suas operações”.

Azul

A companhia aérea Azul cortou voos para 11 destinos brasileiros e deve demitir até 700 funcionários com o objetivo de reduzir custos operacionais. A informação é da coluna de Mônica Bergamo publicada nesta quarta-feira (1°) no jornal “Folha de São Paulo”.

Segundo a colunista, outras 12 cidades brasileiras serão tiradas da rota da empresa. Cada local emprega 30 pessoas. A queda de passageiros e a alta do dólar são os principais motivos para o corte, de acordo com as informações do jornal

BandaB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.