Brasil

Novo chefe da PF diz que vai ampliar a Lava Jato

Indicado ao cargo com apoio da cúpula do PMDB, o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, afirmou nesta sexta-feira (10) que a corrupção no Brasil é “sistêmica” e que vai ampliar as operações conduzidas pela corporação, inclusive a Lava Jato. “O que a PF pretende é ampliar, aumentar o combate à corrupção. Então não será só uma ampliação, uma melhoria na Lava Jato, será em todas as operações que a PF já vem empreendendo. Bem como ampliar, criar novas operações”, disse Segóvia durante cerimônia para assinatura de seu termo de posse.

“Pode ter uma única certeza: a corrupção nesse país é sistêmica, mas existe a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e vários outros órgãos que a combatem e nós pretendemos continuar cada vez mais fortes nesse combate”, completou. Com aval do ex-presidente José Sarney e do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ambos do PMDB e alvos de delações no âmbito da Lava Jato, o novo chefe da PF admitiu que terá que atuar politicamente enquanto estiver no posto.

“A política, na realidade, faz parte da vida do ser humano, então como diretor-geral eu tenho que realmente trabalhar politicamente com vários órgãos, várias instituições, o que não quer dizer que a gente não combata os crimes, que são cometidos por pessoas”, disse Segóvia.

A escolha de seu nome foi estratégia para o núcleo do governo do presidente Michel Temer, que desejava mudanças na condução das investigações da Lava Jato. Desde maio, com a delação de executivos da JBS, as apurações avançaram sobre o coração do Palácio do Planalto. Segóvia assumiu a PF no lugar de Leandro Daiello, que ficou no posto por quase sete anos, desde o governo Dilma Rousseff (PT). A cerimônia de transmissão do cargo está marcada para o dia 20 de novembro, mas Segóvia já assumiu os trabalhos desde esta quinta-feira (9), quando sua nomeação foi publicada no “Diário Oficial” da União.

TROCAS — O delegado também reconheceu que deve fazer trocas em postos-chave da PF. Disse que já se reuniu com diversos integrantes da equipe e que mudanças são “naturais”. “Com certeza sempre tem gente que tá cansado e quer sair, e tem gente que tá novo e quer entrar, isso é natural”, afirmou.

Uma das modificações, por exemplo, envolve o posto de número dois da PF, até agora ocupado por Rogério Galloro, o preferido do ministro Torquato Jardim (Justiça) para assumir o comando da instituição.

O ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Sandro Avelar é o nome preferido para o cargo. Ele recebeu dinheiro da campanha de Michel Temer quando foi candidato a deputado federal em 2014. Candidato pelo PMDB, Avelar teve 21.888 votos e não foi eleito.

Segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o ex-secretário recebeu R$ 11,6 mil do comitê de Temer, que naquele ano foi candidato a vice na chapa de Dilma. O PMDB, por sua vez, doou R$ 236 mil. O total arrecadado pelo candidato foi, segundo o tribunal, R$ 460 mil. A reportagem tentou contato com Avelar e com o presidente Michel Temer, mas até as 19h não havia tido resposta.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.