Paraná

Nova metodologia da Fundação Araucária aumenta assertividade dos investimentos em inovação

Com o objetivo de sustentar uma visão sistêmica e ter ainda maior assertividade nos investimentos em Ciência, Tecnologia e Inovação, a Fundação Araucária passou a utilizar o conceito de Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação – Napis. Em 2020, lançou os Napis Sudoeste; Trinacional; Biogás, Genômica;  Segurança Pública; TaxOnline e o de Nanotecnologia

O TaxOnline tem como objetivo aproximar as empresas das coleções biológicas científicas, considerando principalmente o potencial relevante das microbiológicas para a biotecnologia e inovação. 

“Com o auxílio da Fundação Araucária na estruturação deste Napi, a Rede Paranaense de Coleções Biológicas alcançará um patamar de excelência que servirá de exemplo para todo o Brasil, principalmente no reconhecimento das coleções para a aplicação e inovação em biotecnologia”, ressaltou a professora e coordenadora do Napi TaxOnline, Luciane Marinoni. 

Outro Napi lançado em 2020 foi o Superhub Nanotecnologia, que tem como prioridade conduzir a produção de conhecimento de forma colaborativa pelos pesquisadores paranaenses, incitados por demandas reais de desenvolvimento de setores estratégicos para o Estado, com foco na criação de riqueza e bem-estar. 

“Trabalhamos no desenvolvimento de produtos e processos na área de Nanociência e Nanotecnologia em parceria com o setor produtivo para inovação, auxiliando o desenvolvimento socioeconômico do Paraná nos setores da saúde, energia e agronegócio” explica Graciela Ines Bolzon de Muniz, uma das coordenadoras do Napi Superhub Nanotecnologia.

É neste sentido, acrescenta, que a fronteira da nanotecnologia, ao manipular a matéria em nanoescala, desponta como um horizonte de novos conhecimentos que já demonstraram serem promissores para o desenvolvimento tecnológico e industrial do Estado.

De acordo com a Fundação Araucária, o entendimento dos Napis também permite a reorganização de processos internos e externos, o relacionamento com parceiros e a captação de recursos. O fortalecimento dos ecossistemas de inovação do Paraná sintetiza o esforço a ser empreendido pelos Napis.

“O Paraná possui excelentes ativos e atores para a organização de ecossistemas de inovação e a Fundação Araucária é elemento chave para cumprir este papel. Desenvolve ações voltadas à inovação e possui alta capacidade para responder às demandas da sociedade”, afirmou o diretor científico, tecnológico e de inovação da Fundação Araucária, Luiz Márcio Spinosa.

A Araucária está implementando ainda outros Napis, como o Litoral; Oeste; Norte; Centro-Sul; RMC; Campos Gerais; Energias Renováveis; Águas; Agro; Saúde; Startup Life; Políticas Públicas Temáticos/Estaduais; Automotivo e Aeronáutico.

“Priorizamos os ativos de produção da ciência, tecnologia e inovação para a geração de riqueza e renda para a população. O Paraná possui cerca de 20 mil doutores que fazem com que o Estado alavanque ainda mais sua posição na produção científica nacional e internacional”, destacou o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig.

AEN

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.