ParanáPolícia

Neta é presa suspeita de mandar matar a própria avó por dinheiro em Curitiba

Uma jovem de 18 anos foi presa na manhã desta quarta-feita (29) suspeita de mandar matar a própria avó, de 67 anos, no último dia 31 de julho. A polícia abordou a mulher no momento em que ela saía de casa, na Travessa Hermenegildo Gasparini, no bairro Tatuquara, em Curitiba. Em depoimento na Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), ela confessou o crime, que aconteceu na residência onde as duas moravam.

Na ocasião, Laurinda Aparecida Mesquita da Silva foi encontrada morta com sinais de estrangulamento. Inicialmente, o caso chegou para a polícia como um latrocínio (roubo seguido de morte), já que um celular e uma corrente dourada que a vítima usava foram levados pelo autor.

Segundo o delegado Emmanoel David, da DFR, assim que as investigações começaram, os indícios de que o crime se tratava de um homicídio ficaram mais fortes. “Diversas pessoas nos trouxeram circunstâncias diferentes, que nos levaram a suspeitar da neta. Também percebemos que o autor não roubou nenhum aparelho eletrônico, o que não é comum em um latrocínio, apenas uma corrente bem específica da vítima, que tinha um santinho”, disse ele em entrevista à Banda B.

Além disso, os vizinhos relataram que não ouviram nenhum tipo de briga ou discussão, que poderia ter ocorrido se fosse um latrocínio, e não havia sinais de arrombamento na residência. “A jovem foi a única que viu a avó momentos antes e depois da morte”, completou o delegado.

Compras suspeitas

Outro detalhe que chamou a atenção dos investigadores foi o fato do cartão de crédito da idosa apresentar valores exorbitantes em bens que não condiziam com a vida dela, como gastos com gasolina – sendo que ela não tinha carro -, cigarro, e um celular para a neta.

Posteriormente, a polícia descobriu que as compras teriam sido feitas pela suspeita após o crime. “Familiares ainda nos disseram que, depois que ficaram sabendo de todas essas contas, a jovem começou a ter um comportamento estranho e tentou se matar. Diante de todos esses indícios, a Justiça decretou a prisão temporária dela. Na delegacia, ela confessou que contratou um homem por R$ 3 mil para matar a avó. Relatou que deixou o autor entrar em casa e forneceu até luvas para que ele não deixasse impressões digitais”, afirmou.

Para o delegado, está claro que a motivação do homicídio foi financeira. “A neta comentou que sabia que a avó tinha várias joias escondidas em um fundo falso no armário. Ela inclusive falou para o executor que parte do pagamento dele seria feito com as peças. O colar roubado no dia do crime foi encontrado na bolsa da suspeita pela mãe dela”.

A jovem não possui antecedentes criminais. Ela deve permanecer presa por pelo menos 30 dias, pelo crime de homicídio. Os policiais continuam os trabalhos para localizar o assassino e concluir o inquérito.

Fonte: Banda B – 30/08/2018

 

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.