ParanáPolícia

Namorado de musa fitness é preso em Curitiba; Segundo laudo Renata Muggiati foi estrangulada e jogada

Raphael Suss Marques, o namorado da fisiculturista Renata Muggiati, 32 anos, foi preso na noite desta sexta-feira (25), por policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O rapaz, que é médico de vários lutadores de MMA de Curitiba, era investigado desde o dia em que Renata morreu, quando caiu do 31º andar do prédio onde morava, na Rua Visconde do Rio Branco, na esquina com Comendador Araújo, no centro de Curitiba.

A suspeita é de que o médico tenha estrangulado Renata, o que pode acabar com a hipótese de que ela tenha se jogado do prédio. Na delegacia, Raphael, que chegou algemado e dentro do camburão, negou tudo e disse estar tranquilo.

De acordo com o secretário da segurança, Wagner Mesquita, Raphael foi preso em virtude do laudo de asfixia mecânica, o que vai de encontro a todas as outras provas, inclusive com declarações que ele deu. A prisão é temporária, de 30 dias, mas o prazo pode ser ampliado. “A investigação ainda não terminou, a prisão é mais um passo do trabalho policial”.

A forma que tudo aconteceu fez com que a DHPP instaurasse o inquérito para apurar detalhes da queda. Em primeiro momento, falava-se apenas em suicídio, pois uma postagem no Facebook – que teria sido feita por Renata – dava adeus a vida.

Os policiais começaram a desconfiar, porque justamente a postagem do Facebook dizia também que Renata teria sido vítima de agressões pelo namorado e esse seria o motivo do suposto suicídio. Ela inclusive teria mandado fotos e pedido ajuda a um advogado criminalista, que também depôs na DHPP.

A mulher gostava muito de praticar exercícios. Ela era bastante conhecida no Facebook, rede social que usava para divulgar o trabalho como empresária e personal trainer.

Exames do IML

Na DHPP, o diretor do Instituto Médico-Legal (IML), Carlos Alberto Peixoto Batista, deu detalhes do laudo feito após a morte de Renata. Os exames comprovam que houve asfixia e que isso teria acontecido enquanto a mulher ainda estava viva. O tempo em que Renata permaneceu no IML foi o suficiente para que o órgão conseguisse fazer os exames necessários para tirar as dúvidas da polícia.

O processo de asfixia teria durado de um minuto a cinco minutos. Foi um processo longo e agonizante, que a levaria a morte, caso não fosse reanimada. “É um exame que é retirado o osso do pescoço, esse osso é encaminhado a análise patológica e o exame microscópico mostrou que a fratura aconteceu enquanto ela ainda estava viva e isso não poderia ter acontecido pela queda”, explicou o diretor.

Segundo o secretário da segurança, os primeiros laudos periciais indicam lesões no pulmão, no coração e nos ossos do pescoço. Ainda não está confirmada a informação de que ela estava morta quando caiu, mas o IML pode descobrir se ela, pelo menos, estava desacordada antes da queda. “E a asfixia aconteceu antes de morrer. Agora os próximos laudos periciais vão indicar as novas vertentes de investigação”, disse Wagner Mesquita.

As investigações agora continuam e serão comandadas pela delegada Ana Cláudia Machado. “O que já sabemos é que houve uma mudança drástica da Renata a partir do relacionamento com o rapaz. Ela chegou a emagrecer, perdeu cerca de 20 quilos, e essa mudança drástica faz com que não descartemos toda a influência feita pelo companheiro”.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.