Brasil

Na crise, usados ganham terreno e montadoras esperam “milagre”

carros_usados0008A campanha publicitária da GM dá a dimensão do desespero das montadoras. No comercial de tevê, um coral canta que pediu com fé para São Caetano ajudar a economia; “ele atendeu e um milagre aconteceu”, com “descontos impossíveis”, parcelamentos com juro zero e coisas assim.

As redes de concessionárias de várias marcas anunciam promoções de todo tipo na tentativa de atenuar a retração do mercado. Mas, por trás das ofertas de ocasião, as montadoras continuam aumentando preços em meio a uma queda de 20% nas vendas. Com uma estratégia dessas, parecem mesmo estar à espera de um milagre.

Desde o início do ano, o preço médio do carro novo subiu 5% no Brasil, segundo a medição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em Curitiba e região, o aumento foi de quase 10%. No acumulado dos últimos 12 meses, as altas chegam a 6,8% na média nacional e 13,1% na capital paranaense.

Em entrevista coletiva na semana passada, o presidente da Anfavea (representante das montadoras), Luiz Moan, argumentou que os aumentos se devem à volta da alíquota cheia do IPI, aos reajustes nas faturas de água e energia elétrica e ao encarecimento de peças e componentes importados, decorrente da alta do dólar.

O repasse de custos, que faria sentido nos tempos em que o mercado avançava a passos largos, causa estranheza num momento em que a demanda regride aos níveis de oito anos atrás e os carros estocados nos pátios das fábricas equivalem a mais de 50 dias de vendas.

Esse comportamento pode estar dando fôlego extra ao mercado de carros usados. Depois de cinco anos de crescimento, as vendas de veículos de segunda mão perderam força em 2015, mas seu desempenho chama atenção em meio à recessão econômica e, principalmente, em comparação ao mercado de novos.

Nos cinco primeiros meses do ano, as revendedoras comercializaram perto de 4 milhões de veículos seminovos (com até três anos) e usados, quase 2% mais que no mesmo período de 2014, conforme as estatísticas de duas associações do setor, a Fenabrave e a Fenauto.

No Paraná, os dados da Assovepar (representante do varejo de usados) apontam leve retração de 2%. O resultado está abaixo do previsto em janeiro, quando se esperava uma alta de 5% ao longo do ano. Bem melhor, no entanto, que os números do comércio de novos, que registra queda de 22% no estado. “O preço do seminovo ficou estável, o do carro zero-quilômetro subiu. O consumidor está fazendo as contas e migrando de um para o outro”, diz Antônio Gilberto Deggerone, vice-presidente da associação.

As taxas de juros cobradas do seminovo costumam ser mais altas, em parte porque em muitos casos o crédito para o carro novo tem subsídio do banco da montadora. Mas, segundo Deggerone, as vendas à vista estão ganhando espaço. “Antigamente era 80% financiado e 20% à vista. Hoje é 55% a 45%”, conta.

Marcas oferecem bônus a quem preferir concorrente e seguro contra desemprego

Um dos “milagres” apregoados pela propaganda da GM é que, se ocorrer algum “imprevisto” (mais especificamente, se o cliente for demitido sem justa causa), a empresa paga quatro parcelas de até R$ 1,5 mil do financiamento. É claro que isso só acontece se o comprador contratar um seguro, a ser resgatado mediante determinadas condições.

A Peugeot também ousou na promoção. Se o cliente testar o modelo 208 e mesmo assim preferir comprar um concorrente da mesma categoria, recebe um depósito de R$ 500.

A Kia promete descontos de R$ 2 mil a R$ 9,2 mil – o equivalente a uma redução de até 10,8% – na compra de quatro modelos da marca. As condições valem enquanto durarem os estoques, que, segundo informações do portal G1, não passam de dez unidades por modelo.

A Hyundai prometia até este domingo (14) pagar preço de tabela Fipe para quem fosse trocar seu HB20 usado por um modelo novo.

Marcas como Volkswagen e Ford optaram por ofertas mais convencionais, como parcelamento a juro zero para determinados modelos, mas com entrada mínima de 60%.

Algumas concessionárias também tentam atrair o cliente por meio do carro usado. A curitibana Ford Center, por exemplo, colocou uma faixa na frente da loja com o aviso: “Compramos seu seminovo, mesmo com dívida”.

Rock no pátio

O gerente da loja Ford Center da Avenida Marechal Floriano, Felipe Vinuto, conta que a concessionária também aposta em “eventos de incentivo” para atrair clientes. No sábado retrasado (6), por exemplo, realizou em seu pátio uma espécie de festival com 12 bandas de rock. “Não deixa de ser um atrativo para quem está indeciso”, diz Vinuto. (FJ)

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.