Paraná

Mulher de 36 anos é o primeiro caso confirmado de febre amarela em Curitiba

A Prefeitura de Curitiba confirmou na tarde quarta-feira (31) o primeiro caso de febre amarela na cidade. O caso é importado do estado de São Paulo, contraído no mês de dezembro. De acordo com o Ministério da Saúde, o Paraná tem quatro casos  suspeitos de febre amarela em investigação e outros 14 suspeitos foram descartados.

(Foto: EBC)

De acordo com a prefeitura, não há caso de macaco encontrado com sinais da doença na capital paranaense. A vítima da doença, uma mulher de 36 anos, esteve em Mairiporã, próximo à capital paulista, entre os  dias 22 a 30 de dezembro. Ela permaneceu internada até o dia 8 de janeiro e já recebeu alta. A Secretaria Municipal de Saúde descarta mudar a recomendação da vacinação, que segue liberada apenas para quem vai às áreas de risco.

Ainda segundo a administração municipal, é importante destacar que não há nenhum outro caso suspeito em Curitiba sendo analisado e nunca houve um caso de contaminação pelo vírus na cidade. “Nossa preocupação é pequena e a população pode ficar tranquila, porque não há caso de transmissão em Curitiba. No período de transmissão, ela esteve internada em observação”, disse a secretária municipal de Saúde, Márcia Cecília Huçulak.

Durante entrevista coletiva, a secretária destacou como é feito o monitoramento em Curitiba. “Todos os macacos mortos são recolhidos e analisados. Alertamos a população para não matar os macacos, porque eles são nossos radares. O que podemos garantir é que a doença não está perto de nós, mas temos que tomar os cuidados”, disse.

Por fim, a secretária destacou a importância de combater o mosquito aedes aegypti, transmissor da febre amarela. “Em Curitiba, está baixo o número de criadouros e é fundamental manter assim. Todo cuidado é pouco”, concluiu.

A febre amarela

A febre amarela é uma doença sazonal, geralmente com aumento de casos entre dezembro a maio. Não há transmissão de pessoa a pessoa.

No ciclo silvestre (cujos casos têm sido registrados recentemente no País), a transmissão é feita pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes, sendo o macaco o principal hospedeiro. A transmissão ocorre quando o mosquito que picou um macaco infectado pica o homem.

No ciclo urbano, o homem é o único hospedeiro e a transmissão ocorre a partir do mosquito Aedes aegypti.

Sintomas

1ª fase – período de infecção: febre, calafrios, dores pelo corpo, náuseas e vômitos, comum a várias outras doenças.

2ª fase – período tóxico: febre, icterícia (amarelecimento da pele e dos olhos, daí o nome febre amarela), urina escura, dores abdominais, vômitos.

 

BANDAB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.