Política

MP acusa Richa de improbidade pela “batalha” do Centro Cívico

O governador Beto Richa, o ex-secretário da Segurança Fernando Francischini, os coronéis da PM César Kogut, Arildo Luís Dias, Nerino Mariano de Brito e o tenente-coronel Hudson Teixeira foram acusados formalmente de improbidade administrativa pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), nesta segunda-feira (29), em razão da “batalha” do Centro Cívico, no dia 29 de abril. O anúncio sobre a ação foi feito pelo MP exatamente no dia em que o episódio que deixou 213 feridos completou dois meses .

O MP começou a ajuizar a ação civil pública em que acusa as autoridades de violar dois direitos fundamentais: de reunião e de livre manifestação, além de colocar em risco o patrimônio público e deixar feridos durante a operação.

Governo reclama de não ter tido acesso à investigação

Como o procedimento investigativo tem mais de cinco mil páginas, o ajuizamento, que é digital, deve terminar nesta terça-feira (30). Conforme determina a lei para casos de improbidade, os acusados deverão apresentar uma defesa prévia. Depois, o juiz decide se acolhe ou não a denúncia do Ministério Público.

O MP também enviará cópia da denúncia àProcuradoria-Geral da República (PGR), que avaliará possibilidade de responsabilizar criminalmente os envolvidos. Esse procedimento é necessário já que Richa e Francischini têm foro privilegiado. Para os demais citados, caberá à procuradoria desmembrar o processo para determinar qual órgão tem competência para analisar cada caso. Eles podem ser acusados de abuso de autoridade e do chamado crime de perigo comum – aquele que coloca em risco a coletividade.

“Richa é o grande comandante da segurança pública, uma atribuição constitucional. Houve uma omissão dolosa [intencional] do governador”, disse o procurador Eliezer Gomes da Silva. Kogut é ex-comandante-geral da PM. Ele deixou o cargo no início de maio, após o então secretário de Segurança Pública Francischini afirmar que a culpa pelos excessos na operação ter sido da PM. Já Francischini pediu demissão pouco depois. Os comandantes operacionais foram Nerino Mariano de Brito e Arildo Luís Dias.

O procurador Eliezer disse ainda que as finanças do estado podem sofrer danos com eventuais ações indenizatórias de vítimas.

O MP afirmou ainda que o Palácio Iguaçu serviu de centro de detenção e observação para a operação. Segundo Eliezer, várias pessoas detidas durante o dia 29 de abril permaneceram em uma sala do Palácio. Além disso, as janelas serviram de ponto de observação para alguns agentes. De acordo com o procurador, esses são alguns dos fatores que caracterizaria a omissão do governador. O MP ainda informou que vários policiais que trabalharam na operação foram recebidos com festejos e elogios por integrantes do alto escalão do governo estadual naquele dia.

O MP também diz que não conseguiu encontrar indícios da presença de black blocks durante os protestos, como alegou o governo para justificar a ação violenta. Para embasar a ação, o MP ouviu 580 pessoas em 33 cidades e recebeu 530 gigabytes de imagens do episódio.

Governo reclama de não ter tido acesso à investigação

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE), responsável pela defesa dos agentes públicos do governo, informou que o Ministério Público do Paraná (MP) negou acesso à investigação sobre o dia 29 de abril. De acordo com a nota enviada à reportagem, a PGE apresentou requerimento para ter acesso. “A Procuradoria estranha o fato de o MP ter optado, primeiramente, em expor o caso à imprensa, sendo que, até o presente momento, não lhe foi possibilitado o acesso às conclusões”, informa o texto. Segundo a nota, assim que a PGE tomar conhecimento do teor da investigação, agirá em defesa dos interesses do estado.

Durante a entrevista coletiva, no entanto, o MP afirmou que concedeu acesso aos advogados do governador Beto Richa e do ex-secretário Fernando Francischini a 14 volumes da investigação. O MP informou que era o que havia sido produzido até aquela data. Além disso, o MP disse que pediu à Secretaria da Segurança Pública e ao governo estadual, por ofício, várias informações sobre a operação, mas que até agora não recebeu resposta.

Já a Polícia Militar do Paraná (PM) informou, também por meio de nota, que respeita as conclusões da investigação do MP. Mas diz que o inquérito policial militar instaurado para investigar a operação de 29 de abril ainda não foi concluído. Como o comandante-geral atual terá a responsabilidade de dar uma solução ao que for apurado, a PM prefere não se manifestar a respeito.

A reportagem pediu para a assessoria da PM entrevistas com todos os policiais citados, mas não houve resposta sobre essa solicitação. A reportagem tentou localizá-los sem sucesso. O ex-secretário da Segurança também foi procurado, mas não foi encontrado pela reportagem.

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.