Curitiba

Movimento negro entrega bandeira nacional no Palácio Iguaçu e repudiam vandalismo em manifestação

Representantes do Movimento Negro Organizado de Curitiba fizeram nesta quarta-feira (3) a entrega simbólica de uma bandeira nacional ao chefe da Casa Militar do Governo do Estado, tenente-coronel Welby Pereira Sales. O ato, acompanhado pela Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social (Sudis), teve como objetivo repudiar a ação de vandalismo que queimou, na segunda-feira (01), a Bandeira do Brasil que fica hasteada em frente ao Palácio Iguaçu.

Uma nova bandeira foi colocada no lugar da que foi danificada. O espaço do Pavilhão Nacional, como é chamado o local em ficam os mastros com as bandeiras do Brasil e do Paraná, precisou ser higienizado por conta de pichações. Além disso, o mecanismo que conduz o hasteamento teve que ser consertado, já que havia sido danificado pelos vândalos.

Denilton Laurindo, assessor da Sudis e presidente do Grupo de Trabalho dos Povos e Comunidades Tradicionais do Paraná, explica que o Governo do Estado prima pelo diálogo com todos os movimentos sociais. “O governador Carlos Massa Ratinho Junior reconhece a importância do movimento negro e repudia todos os atos de racismo e de vandalismo”, disse.

“A manifestação de segunda-feira contra o racismo, e que reafirmou que vidas negras importam, é legítima. Alguns mal-intencionados que causaram malefícios à cidade e ao poder público, além de reconhecidos, precisam ser criminalizados pelo ato”, afirmou Laurindo. “Mas a manifestação é, de fato, uma luta legítima da população negra. Vidas negras importam e o enfrentamento ao racismo precisa ser discutido”, completou.

O chefe da Casa Militar também reafirmou que a luta do movimento antirracista é válida. “O que não podemos aceitar são os vândalos que vêm depredar e retirar a bandeira. Mas com certeza o Governo do Estado está sensível a todas as manifestações pacíficas. Estamos todos juntos”, disse.

Em um texto no site do Centro Cultural Humaitá, os ativistas negros esclarecem que os atos de vandalismo não correspondem à pauta do movimento e que foram feitos à revelia da organização da Marcha Antirracista. “Nossa preocupação hoje é resgatar os símbolos de igualdade. Queremos romper com a ideia de que o movimento negro é violento. O racismo e o preconceito que são violentos”, disse o professor Célio Jamaica.

AEN

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduanda pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.