Mundo

Moto E 2.ª Geração evolui e fica mais caro

Moto E_2nd Gen_Lunch-kjtH-U10759676776bu-1024x683@GP-WebQuando o Moto E foi lançado no Brasil, a ideia da Motorola era fornecer ao público uma opção de smartphone de entrada com menos recursos e preço mais acessível. Mas, na segunda geração, a marca atualizou e reposicionou o modelo, o que resultou em um aumento de preços que o colocou um pouco abaixo do Moto G, celular intermediário da fabricante. A versão mais básica do Moto E custa R$ 569, enquanto a mais completa sai por R$ 729 – ou seja, apenas R$ 20 a mais que o valor inicial do Moto G segunda geração.

Para justificar o preço cobrado, a Motorola passou a oferecer a opção de rede 4G e tevê digital, além de entrada para dois chips e da configuração mais recente do sistema Android, a Lollipop 5.0, para todas as versões. A Gazeta do Povo testou o celular top de linha do Moto E, com todas as especificações citadas, mais 16GB de memória interna.

E ao longo de pouco mais de uma semana, a impressão deixada pelo telefone foi boa para um modelo vendido como de entrada – embora o preço não seja tão acessível assim. A tela qHD de 4,5” – 0,3” a mais que a da primeira geração – é suficiente para visualizar textos, vídeos e fotos sem dificuldades, e possui um encaixe firme nas mãos. Já a câmera traseira mantém os mesmos 5 Megapixels oferecidos pela geração anterior. O Moto E, porém, não possui luz de flash.

Recursos

A evolução do modelo se dá ainda pela incorporação de recursos que facilitam a vida do usuário. Um deles é a Moto Tela, até então presente apenas em outros telefones da marca, que “indica” por meio de ícones na tela inicial a chegada de mensagens de whatsapp, e-mail e demais aplicativos.

Outra novidade é o acionamento das câmeras frontal e traseira por meio de comandos de movimentos das mãos, sem a necessidade de destravar a tela e clicar no aplicativo. Com um Android mais puro, o Moto E tem alterações mínimas no visual da interface e possui poucos apps nativos da fabricante.

A versão vem ainda com as chamadas “bands”, que são bordas removíveis com três cores diferentes. Ao retirá-las, o usuário encontra os espaços para inserir os cartões SIM e os chips de memória nas laterais.

Performance

Durante o período de testes, o processador de 1,2 GHz foi suficiente para os usos do dia a dia, como acesso à internet e a aplicativos de redes sociais e bate-papo, sem apresentar qualquer tipo de travamento. Jogos mais simples e que não exigem tanto do telefone, como Subway Surfers – um dos preferidos da casa – e Assassin’s Creed Pirates, por exemplo, rodaram sem problemas.

Mas um dos trunfos do Moto E é o acesso à rede 4G, que embora possua as suas limitações, demonstrou rapidez no recebimento e envio de dados. Por outro lado, a recepção da tevê digital apresentou alguns delays.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.