Bem Estar e Saúde

Meu filho pisa torto, o que fazer?

Dra. Fabiola Benetti – Clinica Médica São Vicente

Essa é uma preocupação constante, entre pais e familiares, manifestada no consultório.

Antigamente, e não faz tanto tempo assim, era frequente tentar corrigir deformidades dos pés com as famosas botas ortopédicas. Ainda é comum saber  que os próprios pais a usaram durante a infância. Porém, se o resultado foi ou não satisfatório, isso depende. Um fator preponderante é o hereditário. 

Começamos a notar em quem não usava as tais botas uma evolução semelhante,  ou até melhor, quanto a formação da curvatura do pé, quando se comparada aos que usaram sapatos rígidos por um longo período, pois isso pode acarretar em uma atrofia muscular. Atualmente recomenda-se o oposto, no qual andar descalço em áreas irregulares como grama, areia e terra, ajudam mais no fortalecimento da musculatura intrínseca do pé, acelerando o processo de formação do arco plantar.

Então, será que não há nada a ser feito? Devo esperar? Até quando esperar?

Muita calma nessa hora. Estamos falando de pés planos fisiológicos, considerados normais durante a infância. E mesmo na fase adulta, ter um pé plano não é necessariamente um fator de mau prognóstico.

Normalmente nascemos com pé plano devido a maior frouxidão ligamentar associada ao acúmulo de gordura na região plantar (o típico “pé de bisnaga“). Após o 1º ano do bebê, quando iniciada a marcha, percebemos uma leve alteração do arco plantar. O término do seu desenvolvimento pode ser notado ao redor dos 6 anos ou mais, dependendo da criança. Então, é um longo caminho a ser percorrido. 

Existem, porém, diversas deformidades dos pés associadas a outras alterações como: congênitas (a exemplo do Pé Torto Congênito, que muitas vezes pode ser diagnosticada mesmo intra útero), posicionais, neurológicas e pós-traumáticas. Muitos desses fatores são identificados pelos pediatras, que prontamente nos encaminham seus pacientes. 

Nas crianças mais velhas, um sinal de alerta seria a presença de dor constante, deformidades aparentes, às vezes assimétricas, e perda progressiva do arco plantar, que pode ocorrer ao redor dos 8-9 anos.

Apesar da maioria dos casos ter necessidade somente de acompanhamento, ainda existem aqueles que precisarão de um tratamento com palmilha, gesso, fisioterapia, uso de órtese ou até mesmo cirurgia. Assim, é fundamental que ao ser visualizada qualquer alteração da marcha, a criança seja encaminhada e avaliada por um especialista.

Fabiola Benetti
Ortopedista Pediatra
CRM 23.729

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.