Mundo

Marte teve lagos duradouros no passado; probabilidade de vida aumenta

Três anos depois de pousar em uma cratera gigante de Marte, a sonda Curiosity, da agência aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa, na sigla em inglês), encontrou o que os cientistas classificaram como provas de que a bacia esteve repleta de água com frequência, o que aumenta as chances de vida no planeta vermelho, relatou um estudo publicado nesta semana.

A pesquisa ofereceu o quadro mais abrangente de como a Cratera Gale, uma bacia de impacto de 140 quilômetros de largura, se formou e deixou um amontoado de sedimentos de 5 quilômetros no solo da cratera.

No início de sua missão, a Curiosity descobriu restos de cascalho de córregos e depósitos de um lago raso.

A nova pesquisa, publicada no periódico “Science”, mostrou que o solo da cratera se elevou ao longo do tempo em resultado do acúmulo de camadas e mais camadas de sedimentos presentes na água durante o que podem ter sido milhares de anos, segundo John Grotzinger, geólogo do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

“Sabíamos que houve um lago ali, mas não tínhamos a dimensão do quão grande ele foi”, disse Grotzinger.

Água proveniente do norte da cratera preenchia a bacia regularmente, criando lagos de longa duração que poderiam ter servido de berço para a vida como conhecemos. Os cientistas suspeitam que a água viesse da chuva ou da neve. “Se você descobre indícios de lagos, é um sinal muito positivo de vida”, afirmou Grotzinger.

Mais adiante a cratera ficou cheia de sedimentos, e depois os ventos fizeram sua parte e erodiram o leito do lago, deixando para trás somente o monte no seu centro. Esse acúmulo, apelidado de Monte Sharp, foi a razão da Curiosity ter sido enviada à Cratera Gale em busca de antigos habitats adequados para a vida microbiana.

Os cientistas descobriram que Marte tem todos os ingredientes que se acredita serem necessários para abrigar a vida, mas de que maneira o planeta conseguiu conter água na superfície durante longos períodos é um mistério, já que bilhões de anos atrás Marte perdeu sua atmosfera — nessas condições, a água líquida evapora rapidamente.

Na semana passada, outro grupo de cientistas publicou uma pesquisa que mostra que fios d’água salgada fluem periodicamente em Marte nos dias atuais. A origem dessa água, entretanto, ainda é desconhecida.

 

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.