Paraná

Lei proíbe, mas instituições pedem doações nos ônibus de Curitiba

O pedido de doações e a venda de produtos dentro dos ônibus já fazem parte da rotina de quem usa o transporte coletivo. Entre os passageiros, é comum a desconfiança sobre o que é feito com o dinheiro arrecadado. Por outro lado, as instituições que trabalham com a reabilitação de dependentes químicos defendem a prática como fonte de renda e como divulgação dos projetos a quem não tem condições de arcar com tratamentos particulares.

As linhas mais frequentadas por quem faz os pedidos de ajuda são as que usam biarticulados ou fazem integração em terminais. A abordagem começa assim que o ônibus deixa a estação-tubo, e rapidamente chama a atenção dos passageiros com um “bom dia”, seguido pelo relato sobre as conquistas do tratamento.

Pedidos

Depois de apresentados, os representantes das instituições percorrem o veículo distribuindo seus produtos – em geral canetas, chaveiros e adesivos – que são vendidos a valores baixos. Também é constante o pedido feito por pessoas com diversas deficiências, que usam bilhetes ou mostram seus problemas na tentativa de sensibilizar os passageiros.

O Paraná Online entrou em contato com duas entidades que atendem dependentes químicos e usam esta estratégia: Instituição Manassés e Missão Resgate. As duas alegam que, apesar de proibido por lei, o comércio dentro dos ônibus é o que mantém os trabalhos.

Instituições se explicam

“Não entramos nos ônibus para vender drogas ou assaltar. A instituição tem trabalho sério, para ajudar quem precisa. Quantas pessoas são alcançadas por este trabalho, mães que estão indo trabalhar desesperadas porque o filho é envolvido com drogas e está desaparecido há dias?”, argumenta Marcos Paulo de Carvalho Lopes Granado, presidente nacional da Missão Resgate.

“As palestras nos coletivos atingem o povo de classe mais baixa, que não tem condição de custear a recuperação. Hoje as clínicas são bastante caras”, diz.

Kits

O presidente nacional da Manassés, Douglas Marques Correa, também concorda com a estratégia. “Temos a necessidade de tentar angariar recursos que não conseguimos arrecadar com o governo. Não pedimos doações, distribuímos os kits com canetas e adesivos em troca de doações”, diz. Ele aponta a própria equipe – que já passou por tratamento na entidade – como pessoas que não teriam condições de pagar pelo atendimento, mantido com o que é arrecadado nos ônibus.

Atividade proibida

Apesar de comum, o pedido de doações e a venda de produtos nos ônibus são proibidos pelo decreto municipal 1356/2008, que define como dever do usuário do transporte coletivo “não comercializar, panfletar ou pedir esmolas no interior dos veículos, estações-tubo, pontos de ônibus e terminais de integração”.

De acordo com a Urbs, a orientação aos motoristas de ônibus é solicitar que os pedidos sejam interrompidos. Caso não seja atendido, o motorista pode parar de rodar até que o pedinte saia do veículo. É possível ainda solicitar a presença de um fiscal, que, assim como o motorista não pode entrar em confronto com o passageiro. Em casos mais graves, a Guarda Municipal deve ser chamada.

Alternativa humanizada

Na avaliação do psicólogo e coordenador do curso de Psicologia na PUC-PR, Naim Akel Filho, tratamentos em comunidades terapêuticas é a alternativa mais humanizada em comparação aos antigos manicômios, uma vez que valoriza os pacientes e exerce papel fundamental especialmente no tratamento contra álcool e drogas. “Algumas delas são excelentes, possuem corpo clínico muito eficiente, mas muitas ainda requerem aperfeiçoamento”.

A adoção de responsabilidades pelos pacientes também é considerada por Akel bastante importante no processo de reinserção social, mas ele questiona a estratégia de venda de produtos nos ônibus. “Não sou contra fazer o paciente trabalhar, a divisão de tarefas, colocar o sujeito ativamente no processo, faz parte das comunidades, mas acredito que é preciso segurança ao expor o sujeito a pedir dinheiro. Também não sei se o ônibus é o local mais indicado. Existem outras maneiras para arrecadas recursos”, afirma.

 

PrOn – Foto: Ciciro Back.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.