Paraná

Laudo definitivo do IML afirma que Renata Muggiati não foi asfixiada

O exame de necropsia definitivo do corpo da fisiculturista Renata Muggiati, que morreu aos 32 anos em queda do apartamento onde morava no centro de Curitiba no mês passado, apontou que a jovem não sofreu asfixia. O laudo foi juntado nos autos do caso que está na 1º Vara do Júri de Curitiba nesta quarta-feira (14). A Gazeta do Povo, que teve acesso com exclusividade ao documento, apurou que o resultado do exame, no entanto, não descarta a possibilidade de homicídio para a polícia nem descarta a suspeita sobre o namorado dela, Raphael Suss Marques. Existiriam outros indícios que serão revelados ao final do inquérito.

Por enquanto, a Polícia Civil, o Instituto de Criminalística e a defesa de Marques preferiram não se pronunciar em razão de o caso estar em segredo de Justiça. Marques foi detido no final de setembro por força de uma prisão temporária de 30 dias. A causa da morte, segundo o documento, foi esmagamento de cabeça. Renata estava viva durante a queda.

O laudo definitivo muda o rumo do que foi divulgado sobre o tema até agora. Com base em um exame complementar, chamado anatomopatológico, a polícia tinha indícios que poderia ter ocorrido a asfixia. Esse exame indicava quebra do osso hioide e também por presença de manchas de sangue nos pulmões e coração de Renata. Esses dois fatores estão presentes em vítimas de asfixia. Neste caso, entretanto, essas lesões podem ter ocorrido em razão da queda. No texto, o documento final mostra que não há também lesões produzidas por unhas humanas na região do pescoço, o que indicaria esganadura.

Na conclusão, o médico-legista Daniel Colman, que assina o laudo, registrou que houve esmagamento de cabeça, causado por ação contundente intensa gerado pela queda livre de local elevado. O texto é taxativo ao negar a asfixia.

No final do mês de setembro, quando o suspeito foi preso, a Gazeta do Povo revelou que o próprio despacho da juíza Mychelle Pacheco Cintra, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, reconhecia os indícios de autoria e materialidade do crime para decretar a prisão temporária de Marques por 30 dias.

“Diante da prova técnica (…), há indícios de que Raphael, como dito, única pessoa se encontrava no apartamento, teria asfixiado Renata em vida. Assim, possivelmente, alterou as circunstâncias em que o evento supostamente ocorreu, a fim de simular a ocorrência de suicídio, inclusive a jogando do prédio, maquinado o homicídio supostamente praticado por ele”, diz a juíza em trecho do seu despacho.

Exumação

A reportagem apurou ainda que a polícia também aguarda resultados dos exames realizados na exumação do corpo de Renata. A exumação foi feita a pedido da polícia justamente para tirar a dúvida em relação ao testemunho de uma pessoa que afirmou ter ouvido gritos na queda de Renata e com a suspeita que ela estaria inconsciente em razão da asfixia.

Investigação

O Ministério Público havia aberto um procedimento administrativo investigatório para descobrir os motivos de o laudo de necropsia definitivo estar atrasado.

 

Pron

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.