Paraná

Lapa promove festa para divulgar coxinha de farofa com shows sertanejos

coxinhafora

Há mais de 70 anos uma coxinha inventada na Lapa, feita com massa de pastel e recheada com farofa de frango, vem conquistando o paladar de quem a experimenta. A iguaria surgiu quase por acaso, para aproveitar sobras, e aos poucos foi ganhando fama. Agora, para apresentar esta delícia a um maior número de pessoas e firmar a identidade lapeana do produto, a Prefeitura da cidade decidiu fazer a Festa da Coxinha de Farofa.  A primeira edição do evento vai acontecer de 12 a 15 de março no Parque de Exposições e Eventos da Lapa. Quem for ao local vai encontrar, além da coxinha de farofa, exposições, artesanato, apresentações de bandas locais e shows de nomes nacionais como o cantor Gusttavo Lima e a dupla Munhoz e Mariano.

“Nosso objetivo é colocar a Lapa no mapa dos grandes eventos do Paraná, para divulgar o município e criar oportunidades de negócios. A coxinha de farofa foi o produto escolhido para dar nome à festa porque faz parte da história da cidade, é um patrimônio de todos os lapeanos e, além de tudo, uma delícia”, explica a prefeita da Lapa, Leila Klenk.

A receptividade da ideia tem sido excelente em toda a região e a expectativa da organização é receber mais de 15 mil pessoas nos quatro dias de evento. Há até quem irá percorrer mais de 70 quilômetros de bicicleta para prestigiar a festa. A Pedalada da Coxinha de Farofa deverá reunir mais de 100 ciclistas que sairão às 7 horas do dia 15 da Praça do Japão, em Curitiba, em direção à Lapa.

Origem da coxinha

Não existe registro exato do ano, mas foi no início da década de 1940 que a lapeana Maria da Glória Ribas Kuss (05/11/1901 – 19/03/1997) teve a ideia de juntar massa de pastel com farofa feita de farinha de milho e carne de frango desfiada.

Maria de Jesus Rosa do Rosário, atualmente com 90 anos, conta que naquela época dezenas de pessoas reuniam-se na casa de Maria da Glória para o trabalho voluntário de preparar os alimentos vendidos na festa em louvor a São Benedito, realizada no dia 26 de dezembro. Certa vez acabou a carne moída e sobrou massa de pastel. Como também havia grande quantidade de farofa para recheio dos frangos a serem assados, a iniciativa foi juntar a massa e a farofa em formato de coxinha.

No início, o salgado era produzido apenas para as festas religiosas. Com o passar dos anos, várias pessoas foram aprendendo a receita e a coxinha de farofa passou a ser produzida comercialmente.

Benedita de Aguiar Berghauser, 70 anos, na década de 1970 fornecia salgados para cantinas e lanchonetes da Lapa. Aprendeu a fazer a coxinha de farofa com a dona Maria da Glória e, segundo conta, inspirada nos canudinhos de maionese teve a ideia de cortar a massa de pastel em tiras para envolver a farofa, dando origem ao formato atual. “Antes o recheio era colocado num pedaço de massa e juntavam-se as pontas, formando uma trouxinha”, recorda.

Popularização

Maria de Lourdes Nizer, 65 anos, aprendeu a receita há 25 anos e começou a produzir a coxinha de farofa para ser vendida pelos filhos junto com outros salgados em empresas da Lapa. A venda de porta em porta deu origem, dez anos depois, a uma empresa que hoje atende em três endereços na cidade. Em todos eles a coxinha de farofa faz parte do cardápio.

Rosa Mazur Kugeratski, 68 anos, é proprietária da primeira panificadora em que a coxinha de farofa começou a ser produzida na Lapa, há 20 anos. “As pessoas pediam, então começamos a fazer. No início não foi fácil. Hoje, principalmente nos finais de semana, chega a faltar. Muitos turistas fazem questão de vir aqui por causa da coxinha de farofa. As excursões ligam antes para encomendar”, relata. Dona Rosa também aprendeu a receita nas festas de São Benedito e acrescenta um detalhe interessante à história. Segundo ela, o Monsenhor Henrique Falarz, pároco da Lapa durante vários anos, incentivava a produção das coxinhas de farofa nas festas religiosas pensando nas famílias mais pobres. “Ele dizia que quem não pudesse comprar um frango assado compraria coxinha de farofa e estaria bem alimentado”, relembra.

Atualmente, quase uma dezena de estabelecimentos vende a coxinha de farofa na Lapa, que também pode ser encontrada na feira da agricultura familiar, realizada semanalmente. Existem diferenças na consistência e no sabor da farofa, que varia conforme quem a produz. Além dessas variações na farofa tradicional, na festa será possível encontrar pela primeira vez à venda alguns novos sabores, como de carne seca, vegetarianas e até doces, com chocolate e frutas fazendo parte do recheio.

BandaB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Um Comentário

Os comentários não representam a opinião deste site; a responsabilidade é exclusiva de seus autores. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. Parabéns a cidade da Lapa, mais uma cidade menor que menor que Araucária, passando a nossa frente em questão de eventos com atrações nacionais. Festa do pessêgo ainda existe? rsrsrs.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.