Paraná

Homens, com idade entre 25 e 34 anos, são os que mais têm a habilitação suspensa no Paraná

Da Redação com AEN

 

O Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) divulgou nesta sexta-feira (12) uma pesquisa que traça um perfil do comportamento dos homens no trânsito e mostra como a paternidade mudou o modo de dirigir de alguns condutores. No Paraná, por exemplo, os motoristas do sexo masculino, com idade entre 25 e 34 anos, são os que mais tiveram a habilitação suspensa por infrações de trânsito. Só no primeiro semestre deste ano, foram 8.731 suspensões.

transito

Foto: AEN

“Uma das razões que podem justificar esse resultado é que na juventude a autoafirmação leva um comportamento mais exibicionista no trânsito e, assim, os riscos são muito maiores”, diz o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

De acordo com o Ministério da Saúde, com base no sistema DataSUS, a cada 10 vítimas fatais no trânsito, 8 são homens e 2 são mulheres. “Estudos mostram que eles e elas tendem a se comportar de modo diferente no trânsito. Enquanto as mulheres são mais cautelosas, analíticas e emotivas, muitos homens acabam por subestimar o perigo e agem de forma intolerante, agressiva e negligente diante das condições adversas”, explica Traad.

Segundo o Detran, dos mais de 39 mil notificados no primeiro semestre de 2016, por suspensão e cassação do direito de dirigir, 75% são homens. Entre os motivos que levaram a suspensão deles no período estão transitar em velocidade superior à permitida em até 20% (11.545), avanço do sinal vermelho do semáforo (5.435) e estacionar em desacordo com a regulamentação (5.130).

O número de mortos e feridos também segue esta tendência. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, no primeiro semestre de 2016, foram 5.200 acidentes envolvendo eles no Estado, com 249 mortos e 3.392 feridos.

Paternidade

O comportamento masculino ao volante parece mudar com a chegada dos filhos e os homens ficam mais preocupados com a própria segurança e de seus familiares. É o que acredita o vice-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, Mauro Gil Meger. “Com a paternidade, o homem tende a ser automaticamente e inconscientemente mais responsável e preocupado, duas características muito necessária para o trânsito”, avalia.

O consultor de vendas Thiago Luiz Iurk, de 34 anos, conta que o mudou a atitude ao volante logo depois que descobriu que a esposa estava grávida. “Antes de ser pai eu agia como um animal no trânsito, fazia ultrapassagens perigosas e perdia a cabeça com qualquer coisa. Depois disso, muitas coisas mudaram na minha vida, principalmente a conduta no trânsito. Fiquei mais consciente sobre os perigos e passei a praticar a direção defensiva. Não quero que minha filha cresça sem o pai do lado”, afirma.

Os homens continuam representando a maior parte dos habilitados no Paraná, sendo 3.538.561 condutores dos 5,3 milhões no Estado. Nos últimos cinco anos, entretanto, esse número sofreu queda. Enquanto em 2011 eles representavam 68,20%, hoje são 65,56% do total de motoristas. Já o número de mulheres com CNH segue crescendo: há cinco anos elas eram 31,80% do total e agora são 34,24%.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.