Paraná

Hemisfério Norte tem surto de gripe. Pode chegar ao Paraná?

Depois dos casos de febre amarela, é vez da gripe chamar a atenção. Nos últimos dias, os principais noticiários comentam de uma epidemia gripal nos Estados Unidos, decorrente de um vírus conhecido como H3N2 e que está se prolongando rapidamente, tendo acometido todos os estados americanos, exceto o Havaí.
No Paraná, dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) apontam que tal vírus já havia se tornado o de maior circulação no estado ainda em 2017, quando foram registrados 209 casos e 35 mortes em decorrência do H3N2. Um incremento significativo, considerando-se que em 2016 haviam sido quatro casos relacionados a esse tipo do vírus influenza, com o registro de um óbito.
Acontece que tal notícia não é de um todo ruim, como aponta a pediatra Myrna Perez Campagnoli. “A vacina gera uma imunidade temporária e parcial. Já a infecção pelo vírus pode tornar a pessoa menos suscetível a uma nova infecção, o que significa que grande parte das pessoas que entraram em contato com a doença podem ter desenvolvido uma imunidade parcial”, explica a médica. “Então, isso acaba sendo mais um fator protetor do que um complicador”, complementa.
Outra boa notícia é que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deve anunciar nas próximas semanas a composição da vacina antigripal para a temporada, que deverá começar a ser produzida logo em seguida para chegar ao mercado brasileiro entre o final de março e começo de abril.
“Devemos ter para o hemisfério sul uma composição semelhante a que será indicada para os EUA. E aí teremos uma vantagem, porque já pegamos a vacina testada no hemisfério norte”, explica a pediatra.
Enquanto as vacinas não chegam, porém, os esforços da população devem ser no sentido de readquirir hábitos e cuidados como lavar as mãos com frequência e usar o álcool gel, algo que acabou sendo esquecido após a crise mundial de gripe suína de 2009, segundo aponta o otorrinolaringologista Paulo Mendes Jr.
“Quanto mais tempo passa de uma epidemia para outra, as pessoas esquecem dos cuidados. Vemos isso no dia a dia no consultório: em 2009 era uma loucura, todo mundo com álcool gel. Hoje são poucos os que entram e usam”, diz o especialista.

Viajantes aos EUA podem tomar vacina
Com o inverno no hemisfério norte, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba orienta os viajantes a ficarem atentos aos sintomas da gripe. Até 30 de março, as 111 unidades de saúde da cidade ofertam a vacina da gripe (de 2017) para pessoas com viagem marcada a países do hemisfério norte. A vacina da gripe estará disponível enquanto durarem os estoques nas unidades de saúde. De acordo com o diretor do Centro de Epidemiologia, Alcides Oliveira, a vacina do ano passado oferece proteção para algumas cepas circulantes no hemisfério norte. “Por isso, estamos abrindo essa possibilidade para quem não se vacinou no ano passado e está com viagem marcada. A indicação é se vacinar para evitar adoecer ao longo da viagem e não retornar doente pela gripe”, explica Oliveira.

 

Bem Paraná

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.