Paraná

Grupo carioca compra imóvel do Shopping Total em leilão; situação dos lojistas é incerta

Após duas tentativas frustradas de leilão, o imóvel onde está localizado o Shopping Total, no Portão, em Curitiba, foi vendido nesta terça-feira (14) a um fundo imobiliário do Rio de Janeiro. De acordo com informações repassadas pelo leiloeiro oficial, Helcio Kronberg, o lance vencedor foi de R$ 144.444,440,00. O valor será repassado integralmente aos credores da massa falida da Hermes Macedo.

“O leilão teve lance único feito pelo Fundo de Investimento Imobiliário Diamante, do Rio de Janeiro. O valor de R$ 144 milhões terá um sinal de 20% e o restante será pago em 60 parcelas, como previa o edital. A carta de arrematação será emitida nesta quarta-feira (15) com o pagamento do sinal e o novo dono poderá tomar posse assim que pagar o ITBI (Imposto sobre Transferência de Bens Imóveis). A partir daí, terá livre uso do imóvel”, explicou o leiloeiro à Banda B.

O terreno tem 31 mil metros quadrados, com área construída averbada de 41 mil metros quadrados e mais 44 mil metros quadrados não averbados. No Total funcionam mais de 300 lojas e cinco salas de cinema desde 1997. O estacionamento tem capacidade para 1,5 mil vagas.

De acordo com o leiloeiro, o novo dono do imóvel do Shopping Total terá total liberdade para fazer o que quiser com o imóvel, mas como o grupo já tem shoppings em seus investimentos, é provável que mantenha o negócio no local negociando com cada lojista. “Com a arrematação se desfaz todo o contrato de locação que exista no imóvel. Se o fundo continuar com o shopping, o que deve ser o interesse do grupo, será negociada a locação do espaço com cada lojista”, explicou.

No local do shopping funcionava antigamente um centro de distribuição da HM. O Total pagava aluguel à massa falida até 2014. Depois, o imóvel havia sido arrematado pela G2 Consult, empresa de São Paulo ligada aos donos do shopping, Michel Gelhorn e Eduardo Bekin. A G2 se propôs a pagar o lance mínimo, de R$ 120 milhões, com entrada de 20% e o restante parcelado em 48 meses. A empresa, entretanto, quitou a entrada e realizou o pagamento da primeira parcela e o equivalente a metade da segunda. Por causa da inadimplência, a juíza substituta Diele Denardin Zydek, da 1.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, anulou o negócio no fim de setembro e um novo leilão foi marcado.

“Esta operação de venda do imóvel onde está o Shopping Total é de extremo interesse social porque com isso termina-se de pagar grande parte dos credores da massa falida da HM e com a venda de alguns poucos imóveis remanescentes deve-se se pagar a totalidade dos credores”, finaliza Helcio Kronberg.

 

BandaB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.