Brasil

Governo não pretende ampliar propostas a caminhoneiros

BR 277 em Cascavel (5)-kZf-U10617336422fCE-1024x683@GP-Web

O governo não cogita nenhuma nova proposta para dissuadir os motoristas que continuam a bloquear estradas, afirmou a assessoria da Secretaria-Geral da Presidência nesta quinta (26).

Apesar de parte dos grevistas ter aceito o pacote de propostas do governo, outra parte deles continua paralisada. Para o governo, o pacote atende generosamente os pedidos dos caminhoneiros, e não há como avançar.

A expectativa é que os resistentes cedam. Depois de fazer a oferta de quarta (25), nesta quinta (26) o governo anunciou que os líderes serão “responsabilizados rigorosamente”, e podem ser multados em até R$ 10 mil por hora.

Haverá uma nova reunião no dia 10 de março, coordenada pelo Ministério dos Transportes. Nela, começará a ser construída a tabela referencial de preço de frete.

Inteligência

Um dos problemas que o governo tem enfrentado é achar lideranças com as quais negociar.

Segundo a assessoria, está sendo feito um trabalho de inteligência para tentar mapear os bloqueios iniciados por redes sociais e aplicativos de mensagens, como o Whatsapp.

Adesão fraca

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, admitiu nesta quinta-feira que “não foi boa” a aceitação dos caminhoneiros ao acordo apresentado na quarta-feira pelo governo federal, uma vez que os dois principais pleitos da categoria, a redução do diesel e o aumento do frete, não foram contemplados.

“A Petrobras informou que o diesel não subiria por seis meses, mas isso não animou a categoria”, disse Bueno, que é um dos representantes dos caminhoneiros que participou na quarta-feira da negociação do acordo com o governo, que prevê a manutenção do atual preço do diesel, a sanção integral da nova lei dos caminhoneiros e a carência de 12 meses em financiamentos para a compra de caminhões.

Segundo ele, houve desmobilização do movimento em algumas regiões, mas não é possível aferir qual foi, proporcionalmente, a aceitação ao acordo.

“Houve uma desmobilização, mas a gente percebeu que retornaram (os protestos) em alguns pontos”, disse.

Nesta quinta-feira, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo está empenhado na solução da paralisação dos caminhoneiros, que atinge diversas rodovias do país.

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.