ParanáPolícia

Funcionária da Copel diz que resolveu aplicar golpes após descobrir que tinha poucos meses de vida

Presa na última terça-feira (4), a funcionária da Companhia Paranaense de Energia (Copel), de 38 anos, alegou à polícia que resolveu aplicar os golpes contra a empresa depois que foi diagnosticada com leucemia. Segundo a suspeita, que não teve o nome divulgado, o médico disse que ela só tinha mais um ano de vida.

Desesperada, ela resolveu desviar dinheiro para ajudar a mãe, que está acamada há 13 anos, devido a um derrame. De acordo com a Polícia Civil, o depoimento da funcionária, no entanto, ainda não foi comprovado com documentos ou prontuário médico. “A suspeita afirmou que ficou preocupada e queria dar conforto para a mãe antes da morte. Então, ela começou a comprar várias coisas, aparelhos domésticos, cama, sofá… Ela montou uma casa inteira e quitou um lote”, contou o delegado Gustavo Mendes de Brito, responsável pelo caso, em entrevista à Banda B.

Além disso, a funcionária chegou a pagar uma construtora para fazer um sobrado e a família sair do aluguel. “Nós não sabemos se a alegação dela é verídica ou não. Também não temos certeza se a defesa vai apresentar algo nesse sentido, mas para nós isso é irrelevante. O fato de ela estar doente não justifica os crimes que cometeu”, completou.

Segundo ele, a funcionária acreditava que, se fosse descoberta pela polícia, já estaria morta, considerando a previsão de vida dada pelo médico. “Ela era vista pelos colegas como uma trabalhadora exemplar e correta, com um cargo de confiança. Ninguém desconfiava”, finalizou.

Como ela agia

A funcionária aproveitava da confiança que tinha na empresa, no departamento que cuidava dos pagamentos, para inserir o código de barras dos boletos das compras pessoais na fatura da Copel, que pagava as contas.

O desvio descoberto pela polícia passa dos R$ 500 mil. Entre os bens adquiridos estão um carro de R$ 128 mil (que seria usado para garantir a faculdade da filha de 13 anos, segundo a suspeita), um lote de R$ 94 mil e um pagamento adiantado a uma construtora no valor de R$ 268 mil. Além de inúmeros eletrodomésticos como, geladeira, TVs e fogão.

A mulher estava na empresa há 13 anos, era concursada e ganhava cerca de R$ 4 mil por mês.

 

BANDAB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.