Paraná

‘Fruet e Richa fingem que querem o metrô em Curitiba’, dispara Gleisi

gleisi_metroA senadora Gleisi Hoffmann (PT) perdeu a paciência com o governador Beto Richa (PSDB) e o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), que, segundo ela, estariam fingindo querer construir o metrô na capital paranaense.

“Olhando todo esse período, não me parece que a intenção de construir o Metrô em Curitiba seja para valer”, afirmou a parlamentar, nesta quinta-feira (9), pelo Facebook, ao analisar a demora para o início das obras do novo modal de transporte de massa.

Gleisi criticou o fato de Fruet pedir mais R$ 463 milhões ao governo federal para o metrô curitibano. Segundo ela, que acompanha a discussão desde o início, a presidenta Dilma Rousseff (PT) já reafirmou R$ 1,8 bi, recursos do orçamento federal, mais financiamento pelo BNDES, bancando a maior parte da obra.

“Enquanto isso, o sistema integrado de ônibus, que fez fama internacional para Curitiba, está se desmanchando”, disparou a senadora.

Embora dura na crítica, Gleisi Hoffmann elevou mais o tom contra o governador Beto Richa. Mas para a frente política essa puxada de orelha em Fruet, coincidente com o 5º congresso do PT, soou como um recado de que o partido não vai a reboque em 2016… Será que isso tudo vai terminar em rompimento? Será?

A seguir, leia a íntegra da crítica pública de Gleisi sobre a questão da crise no transporte público de Curitiba:

SOBRE O METRÔ DE CURITIBA

Curitiba deveria rediscutir o projeto de Metrô, levando em consideração todo o sistema de transporte de massa da nossa Capital e da região metropolitana. Acompanho há vários anos essa discussão sobre o Metrô.

Particularmente desde quando, há mais de cinco anos o então prefeito Beto Richa relançou a ideia e solicitou apoio federal. Olhando todo esse período, não me parece que a intenção de construir o Metrô em Curitiba seja para valer. Já tivemos diversos anúncios e em pelo menos duas ocasiões a presidenta Dilma Rousseff afirmou e reafirmou apoio ao projeto, oferecendo primeiro R$ 1 Bilhão e depois aumentando para R$ 1,8 bi, recursos do orçamento federal, mais financiamento pelo BNDES, nos dois casos. Com isso, o governo federal se dispôs a bancar a maior parte dos custos da obra.

No ano passado, o Tribunal de Contas do Estado mandou suspender a licitação já programada, provavelmente por estarmos próximos das eleições. Liberou a licitação depois do pleito.

Agora, o prefeito Gustavo Fruet anuncia que está pedindo ao governo federal que amplie em mais R$ 463 milhões os recursos orçamentários para o Metrô. Ou seja, demorou-se tanto a encaminhar o assunto que os recursos não são mais suficientes e precisam ser aumentados antes mesmo da licitação.

Enquanto isso, o sistema integrado de ônibus, que fez fama internacional para Curitiba, está se desmanchando. Atitudes demagógicas de Beto Richa, que usou a tarifa para se eleger e para se reeleger, parecem ser a principal razão para o desequilíbrio financeiro do sistema. Em 2012, reconhecendo o problema, o já governador, na tentativa de reeleger seu candidato à prefeitura, ofereceu subsídio financeiro do Estado para reequilibrar as contas do sistema integrado. E depois da eleição mudou o discurso, dizendo não ser correto que o Estado se responsabilize por despesas dos municípios.

O resultado foi o rompimento da integração, com tarifas muito mais altas para os cidadãos/usuários das cidades vizinhas. E vemos notícias com cenas de pessoas, principalmente mulheres, em situação vexatória de se disporem a pular as catracas em terminais, por não terem como pagar passagens tão caras.

Então, sugiro ao prefeito Gustavo que refaça o debate com a Capital e com as autoridades das cidades vizinhas e também do governo estadual: será que a prioridade é mesmo o Metrô? Vamos investir quase seis bilhões de reais durante vários anos (obra de Metrô é demorada mesmo), enquanto o sistema tradicional, digamos assim, de Curitiba e região se desmancha e atende de maneira cada vez mais indigna os trabalhadores e as trabalhadoras, estudantes, enfim, as pessoas que precisam se deslocar diariamente?

Pode ser que, diante das dificuldades cada vez maiores enfrentadas pelo sistema integrado, a população prefira investir na revitalização e ampliação do nosso sistema, recoloca-lo em condições de transportar de maneira digna aqueles que dele se servem.

Por último, uma pergunta de natureza prática: sabendo que o governo do Estado não se dispôs a continuar com o subsídio que o próprio governador Beto Richa criou, será que podemos esperar que o governo do estado entre com sua parte de responsabilidade já assumida para a construção do Metrô? Sejamos francos, com essa crise em que se encontram as finanças do Paraná e com a postura já mostrada pelo governador Richa, é muito oportuno que o prefeito Gustavo se certifique disso antes de licitar e iniciar a obra, para não termos uma obra parada no coração da cidade, por falta dos recursos.

Fonte: esmaelmorais.com.br

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.