Paraná

Francischini “participou de tudo”, diz ex-comandante da PM após se demitir

14982004Dez dias após a “batalha” do Centro Cívico, o coronel César Kogut pediu na noite desta quinta-feira (8) exoneração do comando da Polícia Militar do Paraná (PM). Ele alegou ao governador Beto Richa(PSDB) “dificuldades insuperáveis” no relacionamento com a direção da Secretaria da Segurança Pública. Horas depois, em entrevista exclusiva à Gazeta do Povo, Kogut voltou a responsabilizar diretamente o secretário da Segurança, Fernando Fra ncichini, pela ação policial contra os professores e servidores estaduais, que deixou 213 feridos.

Segundo o ex-comandante, o planejamento e o tamanho da operação, que contou com 1,6 mil policiais, foram determinados por Francischini e pelo subcomandante-geral da PM, coronel Nerino Mariano de Brito. “O secretário conhecia e participou de tudo”, disse Kogut. Em entrevista coletiva na segunda-feira (4), Francischini havia responsabilizado a PM pela operação, alegando que a secretaria é encarregada apenas pela parte administrativa do setor de segurança. Na quarta-feira (6), Kogut e outros 15 coronéis da PM enviaram carta ao governador em que repudiaram as declarações de Francischini. O secretário reagiu e disse que havia sido mal interpretado.

Coordenação

De acordo com Kogut, a coordenação operacional da PM é legalmente do secretário da Segurança. Por consequência, a responsabilidade pela ação não pode ser somente dos policiais militares. “A responsabilidade pelos atos, certos ou errados, é em conjunto entre a PM e quem esteve na execução do planejamento. Legalmente, a coordenação operacional pertence à Sesp [Secretaria Estadual da Segurança Pública]”, disse o ex-comandante.

Kogut, que deve ir para a reserva da PM, defendeu a tropa ao reafirmar que os policiais não provocaram o confronto com os professores e servidores, pois os manifestantes avançaram primeiro. A PM, disse ele, reagiu depois que os bloqueios para proteger a Assembleia Legislativa foram furados.

Sobre os disparos de balas de borracha, o coronel revelou, pela primeira vez, o nome dos homens que deram as ordens. “Teve ordem dos comandantes operacionais – que eram, no momento, Nerino e Arildo [coronel Arildo Luís Dias, que foi o comandante da operação no dia 29]”. Kogut ainda afirmou que apenas o Ministério Público e a PM, que abriu um inquérito militar, poderão dizer se houve excessos da corporação.

Apesar de deixar o comando da PM, Kogut disse que não se sente abandonado pelo governador Beto Richa e nem que perdeu uma queda de braço com Francischini. “Não estou saindo pelos atos lá da Assembleia. Estou saindo porque acho realmente que não tem como eu me relacionar com o secretário.” O coronel afirmou que em momento algum se sentiu desamparado pelo governo. “Não fui abandonado pelo governo. Foi uma decisão em conversa entre eu e o governador. O governador está abalado.”

Na avaliação de Kogut, Francischini terá muitas dificuldades de relacionamento com a corporação em razão do que disse durante a entrevista coletiva. “Hoje a PM inteira tem uma visão. Os coronéis tomaram uma posição em nome da corporação”, disse, se referindo à carta de repúdio enviada a Richa. O manifesto foi assinado por 16 dos 19 coronéis da ativa da PM. “Saio de bem com o efetivo. A PM está bem unida e continua trabalhando.” Kogut disse também que acredita que a relação entre professores e policiais será restabelecida em breve.

Kogut ressaltou ainda que o subcomandante Nerino Mariano de Brito foi exonerado antes de ele deixar o comando da PM. Portanto, quem assume o comando-geral automaticamente é o chefe do Estado-Maior, coronel Carlos Alberto Bührer Moreira e não Nerino. O novo comandante também é o responsável pelo inquérito policial militar que apura os abusos cometidos pela PM na manifestação de 29 de abril.

No Palácio Iguaçu, a saída de Kogut é vista como “o começo do processo de reestruturação da segurança”. Especula-se que Francischini também não permanecerá no cargo. Mas no governo ninguém confirma oficialmente a possível saída do secretário. Na quarta-feira, Francischini chegou a ser dado como demitido, mas depois de uma reunião com o governador teria sido confirmado no cargo. As cartas assinadas pelos coronéis, divulgadas logo a seguir, no mesmo dia, contudo, teriam tornado ainda mais difícil a permanência do secretário.

Outro lado

A reportagem procurou à noite a assessoria de imprensa da Sesp para que Francischini se manifestasse sobre as declarações de Kogut. Mas a secretaria informou que, devido ao horário, não seria possível dar um retorno. A Gazeta do Povo não conseguiu localizar os coronéis Arildo e Nerino.

Richa sacramenta a 4ª troca no comando da Polícia Militar

Esta é a quarta troca de comando da Polícia Militar (PM) em menos de cinco anos de governo Beto Richa (PSDB). O coronel César Kogut assumiu a função em outubro de 2013. Ele substituiu ocoronel Roberson Luiz Bondaruk, que esteve no cargo por dois anos e pediu afastamento por motivo de saúde. A entrada dele no comando ocorreu em meio a impasses sobre a proposta de colocar policiais na guarda de presos em delegacias e cadeias públicas. No discurso de posse, Kogut ressaltou que daria continuidade ao trabalho do seu antecessor. Antes de assumir o comando, ele chefiava a 2ª Regional da Polícia Militar, em Londrina. Quando da ação policial que culminou em cerca de 200 feridos no Centro Cívico, na semana passada, o comandante defendeu a atuação dos PMs, ressaltando que um grupo de manifestantes tentou furar o cerco em torno da Assembleia. Kogut daria uma entrevista coletiva nesta sexta (8), mas o evento foi cancelado pela PM na noite desta quinta (7).

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.