Brasil

‘Estamos preparados caso a nuvem de gafanhotos entre no Brasil’, diz chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Alimentar da Argentina informou, no final de semana, que a nuvem de gafanhotos, que estava na Província de Corrientes, se movimentou em direção ao sul do Departamento de Curuzú Cuatiá, rumo ao Departamento de Sauce. Neste domingo, a nuvem se deslocou mais 51 quilômetros para o Sul e está a 3 quilômetros de San José de Feliciano, na Província de Entre Rios.

As altas temperaturas e o tempo firme, na Argentina e no Rio Grande Sul, favorecem o deslocamento dos insetos, motivo de preocupação, segundo o chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria da Agricultura do Estado, Ricardo Felicetti. “As condições climáticas nos últimos dias possibilitaram maior movimentação nos últimos dias, em vista o aumento da temperatura, que é ideal para a movimentação. Contudo, não podemos prever se essa nuvem vai entrar (no Brasil), admitimos que há condições climáticas para a movimentação e mantemos o alerta, nos preparando caso a nuvem entre”.

Segundo ele, as ações no Brasil são de vigilância constante. “Também estamos fazendo levantamento dos impactos possíveis se essa nuvem ingressar e as medidas que devem ser tomadas de maneira rápida, já que a nuvem se movimenta rapidamente. (…) Caso isso ocorra, estamos preparados com um plano de emergência implementados para atuar no caso de um surto de gafanhotos aqui no estado”.

Segundo e, a nuvem está, agora, a 112 km da cidade gaúcha de Barra do Quaraí. Os fiscais agropecuários esperam contar com a ajuda dos ventos e a entrada de uma nova frente fria, no Estado, para afastar os gafanhotos do Rio Grande do Sul.“Até quarta-feira, a nuvem deve seguir se deslocando ao sul por causa do vento que predomina na região e temperatura elevada. Pelo menos nesses dias não há risco do ingresso dessas nuvens no Rio Grande do Sul”, disse o fiscal agropecuário Juliano Ritter, que acompanha a nuvem de gafanhotos na fronteira brasileira.

Em relação às notícias sobre uma possível chegada da nuvem ao Brasil ainda nesta semana devido ao aumento da temperatura, o Ministério da Agricultura esclareceu em nota oficial que este é um fator que não pode ser considerado de forma isolada. Até o momento, seguem mantidas as previsões de que os insetos continuarão se movimentando rumo ao sul, sem previsão de ocorrência de um conjunto de alterações climáticas, como temperatura x umidade x direção/velocidade dos ventos, que favoreça sua entrada no Brasil.

“A equipe técnica do Mapa em Brasília se mantém em alerta juntamente com as Superintendências Federais de Agricultura (SFAs) e os Órgãos Estaduais de Defesa Agropecuária em ambos os estados e em permanente contato com o Senasa para o monitoramento do deslocamento da nuvem de gafanhotos e a preparação de medidas de controle de forma tempestiva, se for necessário.”, disse a entidade.Uma segunda nuvem de gafanhotos apareceu nesta segunda na Argentina. Segundo Ritter, esses insetos estão na província de Formosa e esse avanço redobra a atenção dos fiscais agropecuários. “Não temos a confirmação se é a nuvem do Paraguai, que estávamos monitorando, ou se é uma terceira nuvem de gafanhotos.  Se for confirmado que é a nuvem que estava no Paraguai, ela se deslocou mais de 200 quilômetros em dois dias, o que é preocupante”, disse.

Com informações do Canal Rural

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.