Paraná

Estado do Paraná terá campanhas de multivacinação em outubro

A Secretaria de Estado da Saúde acompanhará a estratégia do Programa Nacional de Imunizações e vai promover de 5 a 30 de outubro as campanhas de Multivacinação e de Vacinação contra a Poliomielite, dirigida às crianças e adolescentes.

No Estado, a ação envolverá a Vigilância Epidemiológica e a Atenção Primária, que articularão as atividades junto às 22 Regionais de Saúde e às secretarias municipais. O objetivo é atualizar a caderneta de vacinação e assim melhorar as coberturas vacinais, e manter controladas, eliminadas ou erradicadas várias doenças, como meningite, sarampo, caxumba, rubéola, coqueluche, diarreia por rotavírus, difteria, tétano, hepatites, febre amarela e HPV, vírus que pode provocar o câncer entre os jovens.

Serão ofertadas 14 vacinas na Multivacinação para crianças e adolescentes menores de 15 anos, além da vacina contra a poliomielite (VOP) para crianças a partir de 12 meses e menores de cinco anos de idade.

“Será uma grande operação que tem o objetivo de proteger crianças e adolescentes em todas as cidades do Paraná. Desde 2012, o Ministério da Saúde promove esta campanha, mas, neste ano, com a Covid-19, o apelo é ainda maior. Os pais devem levar os filhos para a atualização das vacinas, que são seguras e salvam vidas”, afirma o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto.

CAMPANHA – “A estratégia consiste em oportunizar um único momento no qual são oferecidas à população-alvo as várias vacinas, facilitando assim o acesso das famílias, garantindo a imunização”, explica a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da secretaria, Maria Goretti David Lopes.

Segundo a diretora, na próxima segunda-feira (14) a pasta promoverá atividade online com a participação de profissionais de todo o Estado, envolvidos na vacinação, para atualizar informações sobre a campanha. “Os municípios estarão abastecidos e, desde já, devem preparar logísticas de parcerias para a vacinação extramuros, em locais amplos e arejados para se evitar aglomerações e seguindo as recomendações do Ministério da Saúde e da Sesa para proteção da Covid-19”, disse a diretora.

A secretaria estadual orienta ainda que seja feita a busca ativa do público indicado no decorrer da campanha. “Como algumas vacinas estão acondicionadas em frascos com maior número de doses é preciso mapear e identificar antecipadamente as crianças e adolescentes para não haver perda e consequente desabastecimento”, destacou a chefe da Divisão de Vigilância do Programa Estadual de Imunização, Vera Rita da Maia.

CADERNETA – A Secretaria de Estado da Saúde destaca ainda a importância do registro das doses na caderneta de vacinação. “Os pais devem ter a caderneta das crianças sempre à mão e monitorá-la, e os profissionais de saúde devem verificar para a atualização no momento da aplicação das doses”, disse Vera.

“A caderneta é um documento. Representa um histórico da saúde pessoal em vários ciclos da vida. Além disso, é indispensável para viajantes nacionais e internacionais e é documento imprescindível para realizar a matrícula escolar no Paraná”, destacou ela.

DADOS – A meta de vacinação da poliomielite é atingir 95% de cobertura vacinal, considerando uma população estimada de 583.962 crianças a serem imunizadas no Paraná. A estratégia será indiscriminada na faixa de 12 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias de idade. A vacina utilizada será oral, com duas gotas para cada criança.  No ano passado, o Estado registrou 88,4% de cobertura vacinal contra a pólio e, neste ano, até o momento, atinge cerca de 71%.

Entre as principais vacinas que constam na multivacinação está a meningo C, que protege contra a meningite do tipo C, e que no ano passado atingiu 91,23% de cobertura; a vacina tríplice viral, contra sarampo, caxumba e rubéola, que alcançou 90,57%; a vacina pneumocócica 10, que protege contra pneumonias, meningites e otites, chegou 90,82% de cobertura em 2019; a BCG, que imuniza contra a tuberculose, atingiu 88,66%;  a rotavírus protege contra a diarreia e chegou a 89,23% da cobertura, além da pentavalente, contra a meningite, tétano, coqueluche, difteria e hepatite B, que alcançou em 2019 cerca de 78% de cobertura.

“Os índices de cobertura vacinal caíram em todo País nos últimos anos, colocando em alerta os profissionais da saúde. A erradicação de algumas doenças trouxe a falsa idéia do desaparecimento total e para sempre destes agravos. Tivemos no ano passado o exemplo do sarampo, que voltou a registrar casos aqui no Paraná depois de 20 anos sem ocorrências”, alertou a chefe do Programa Estadual de Imunização.

AEN

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Ivone Souza - Redação

Ivone Souza é jornalista graduada pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Foi repórter e produtora de conteúdos do Portal Mediação, redatora do site Uninter Notícias, escritora e cronista. Curte teatro, uma boa leitura e é apaixonada por viagens e fotografia.

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.