Mundo

Especialistas veem guerra global como improvável, mas não impossível

A resposta militar francesa contra o Estado Islâmico (EI) após os atentados em Paris e os ataques russos contra rebeldes e radicais do grupo terrorista na Síria estão ainda longe de levar o mundo a um conflito global. Porém, embora seja improvável, não é impossível surgir um conflito de proporções globais. Para isso, seria preciso haver a conjunção de uma série de fatores, que vão muito além da investida contra o EI. E, em princípio, no caso de um combate dessa magnitude, não seria nada parecido com a 1.ª e com a 2.ª Guerra Mundial. A análise foi feita por três especialistas em relações internacionais ouvidos pela Gazeta do Povo.

Os especialistas veem sinais de que o mundo caminha lentamente para um colapso que levaria, em tese, a um estado de guerra mundial. Para tanto, porém, seria necessário um crescimento sistemático e quase simultâneo da crise global, com agravamento na questão do Oriente Médio, envolvimento da Ásia (com Coreia do Norte, China e Índia envolvidas), aumento do terror na África, piora das relações entre russos e europeus (deflagrada pela questão da Ucrânia), piora na crise econômica e humanitária da União Europeia e a consolidação do enfraquecimento dos Estados Unidos como ente estabilizador planetário.

Investida terrestre

Essa é a análise do professor Heni Ozi Cukier, da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). “Hoje o ataque ao Isis [sigla em inglês para Estado Islâmico] é menor que o que aconteceu ao Afeganistão [após o 11 de setembro de 2001], onde os EUA tomaram a frente e houve uma longa investida terrestre. Uma 3.ª Guerra Mundial precisaria de que todos os conflitos [que acontecem hoje] reverberassem entre si”, afirmou. Para ele, seria necessária ainda uma conjunção mundial de fatores que não são tão improváveis.

Além disso, para Cukier, os diferentes interesses entre Rússia, França e EUA na Síria, como a permanência de Bashar Al Assad no poder ou sua deposição, são fatores preponderantes para traçar um paralelo sobre o futuro do conflito. “[Para a investida na região crescer] não basta um inimigo comum; tem que ter uma unidade de propósito”, explicou.

Questão religiosa

Eduardo Saldanha, professor de Relações Internacionais da FAE, analisa que a questão religiosa pode sim ser um fator que leve o mundo a um conflito dessas proporções, mas atualmente não há nada perto dessa hipótese. De acordo com ele, seria o fim das Nações Unidas– que foi criada após a 2.ª Guerra Mundial justamente para evitar que os conflitos existentes não cheguem àquelas proporções. “O Isis não é um Estado reconhecido; é um ente beligerante. [A partir dessas respostas aos atentados], não seria possível uma guerra mundial”, diz Saldanha.

Para Denilde Holzhacker, do Núcleo de Pesquisas em Relações Internacionais da ESPM, é difícil encarar o começo de uma guerra mundial atualmente como um fato impossível. Mas ela lembra que as ações dos países contra o Estado Islâmico têm indicado ações coordenadas, como ficou estabelecido na reunião do G20,nesta semana, na Turquia. “As naturezas dos conflitos de hoje são diferentes. É também imprevisível o grau de instabilidade. Até agora os estados não sabem direito como responder [ao grupo terrorista]”, ressalta Denilde.

 

GAZETA DO POVO

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.