Paraná

Enfarte agudo do miocárdio mata 4,8 mil pessoas por ano no Paraná

coração humanoQuase cinco mil pessoas perderam a vida no Paraná em 2014 em decorrência de enfarte agudo do miocárdio. Excetuando os casos de violência e trauma (como acidentes), o problema cardíaco foi a causa da maioria das mortes no estado no ano passado, ficando à frente dos óbitos provocados por doenças pulmonares crônicas e por acidente vascular cerebral (AVC). O número segue a média dos últimos cinco anos, na casa de 4,8 mil pessoas mortas ao ano em decorrência de enfarte. A boa notícia é que, de 2013 para 2014, os registros desse tipo caíram de 5.031 para 4.882, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Evitar a morte por enfarte depende de fatores complexos e, por vezes, difusos. São muitas as causas que podem levar a um problema cardíaco agudo, como diabete, pressão alta, sedentarismo, estresse, colesterol elevado, tabagismo e obesidade, entre outros. Além disso, há a predisposição genética, indicando a tendência de o indivíduo desenvolver doenças no coração ao longo da vida. Segundo o Ministério da Saúde, aproximadamente 300 mil pessoas sofrem enfarte do miocárdio, por ano, no Brasil – destas, 84 mil acabam morrendo.

Histórico

O cardiologista da Divisão do Risco Cardiovascular da Sesa, André Langowiski, explica que as pessoas que têm no histórico familiar problemas no coração precisam aumentar o cuidado para evitar que os demais fatores prejudiquem a saúde. “A atividade física é extremamente importante. Não interessa se a pessoa está acima ou não do peso. O sedentarismo por si só é um fator de risco”, alerta

Prevenção

Para o médico João Vítola, um dos diretores da Sociedade Paranaense de Cardiologia, além de evitar os hábitos que possam desencadear doenças cardíacas, as pessoas precisam fazercheck-up médico. “O diagnóstico precoce de algum problema no coração, antes de a pessoa ter o enfarte, é a melhor forma de prolongar a vida”, diz.

Segundo ele, muitas vezes os problemas cardíacos podem ser assintomáticos – estima-se, por exemplo, que metade das pessoas que têm diabetes não sabe que está com a doença.

“Se a pessoa tem pressão alta e não tem sintomas, essa hipertensão irá provocar danos aos órgãos, inclusive o coração. As pessoas devem ter consciência da necessidade de fazer essa prevenção médica. Não cabe só ao governo ofertar médicos, as pessoas também devem procurá-los”, orienta o especialista.

Informação

Todas as medidas para a prevenção de um enfarte exigem, de acordo com Vítola, acesso à informação. Ele afirma que ter o conhecimento faz com que as pessoas se cuidem e evitem práticas que possam levar a doenças cardíacas.

“É importante também fazer o check-up em dia. Hoje, as pessoas, de um modo geral, não têm conhecimento claro sobre os fatores de risco”, observa o cardiologista.

Atendimento prioriza atenção a fatores que podem levar à doença

A Secretaria de Estado da Saúde atua com um programa que visa qualificar o atendimento na saúde básica para reduzir o número de mortes provocadas por enfarte. O projeto começou no ano passado nas cidades de Maringá e Toledo. Segundo o cardiologista da Divisão do Risco Cardiovascular da Secretaria de Estado da Saúde, André Langowiski, o objetivo é atender principalmente duas complicações que podem levar ao evento: hipertensão e diabete. “Nós avaliamos os riscos dos pacientes e atendemos de forma estratificada”, afirma.

Os pacientes são avaliados e aqueles que apresentam quadro mais grave são encaminhados a um especialista. “Buscamos a racionalidade do atendimento”, comenta. Além de médicos, as equipes atuam com educadores físicos, nutricionistas e psicólogos. Segundo Langowiski, essa medida altera o encaminhamento de pacientes predispostos a apresentar enfarte na saúde básica. “A ideia é levar esse projeto para outras cidades e para isso é preciso apoio da gestão municipal”, diz. (DA)

Aos 53 anos, Joana enfartou dentro do consultório médico

Cansaço, falta de fôlego e uma pressão constante no peito. De repente, uma espécie de “cerração” embaçou por completo a vista de Joana Mesxko Antônio. Ela caiu desacordada. Choques elétricos no peito, injeção de adrenalina e o socorro imediato evitaram que um enfarte encurtasse sua vida, aos 53 anos. O ano era 2006.

Hoje, aos 61, Joana agradece por ter enfartado durante um exame médico no consultório de seu cardiologista. “Estava fazendo alguns testes na esteira e de repente apaguei. Se fosse para morrer naquela hora não ia sentir nada. O médico disse que tive sorte de estar lá para ser atendida”, relata.

Pontes de safena

Foram 20 dias internada, período em que ela passou por procedimentos cirúrgicos para a colocação de três pontes de safena e uma mamária. Joana lembra que os sintomas começaram a aparecer quando ela estava caminhando em direção ao ponto de ônibus para ir até o consultório médico. “Era uma subida leve e tive de parar quatro vezes para descansar”, conta. Os pais dela também morreram em decorrência de doenças cardíacas.

Cateterismo

Três anos antes do enfarte, um médico propôs a Joana que fizesse um cateterismo – procedimento para detectar problemas no coração. Com medo, ela se recusou a fazer o exame.

“Se tivesse feito, não teria que passar pelo que passei. É muito melhor enfrentar um cateterismo do que ser obrigada a fazer uma ponte de safena”, pondera. (DA)

Desconhecer sintomas aumenta risco de morte em 50%

A chance de um indivíduo morrer caso não perceba que está sofrendo um enfarte do miocárdio é de 50%, segundo o cardiologista João Vítola, baseado em pesquisas médicas publicadas nas últimas décadas. “Mas se a pessoa se der conta de que os sintomas que tem são atípicos e procurar um hospital, a chance de óbito pode ser reduzida a 6%”, ressalta o médico. Ele explica que o primeiro enfarte tende a ocorrer – para quem se enquadra nos fatores de risco – a partir dos 46 anos. “Mas o pico ocorre entre 65 e 70 anos”, ressalva.

Sintomas

De acordo com Vítola, os sintomas podem durar cerca de 24 horas e são bem variáveis. O quadro clássico de enfarte corresponde a uma dor intensa no peito que irradia para o braço esquerdo, associado à falta de ar, palidez, sudorese e náusea. “Mas também podem surgir outras dores, como na nuca ou na escápula. Se a pessoa sente esses tipos de dores quando faz um esforço físico, é melhor ficar em alerta”, orienta o cardiologista.(DA)

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.