Araucária

Defesa de direitos marca evento na Praça da Igreja Matriz

28_enc_semana_abuso21Na sexta-feira (22) agentes sociais de diversas áreas reuniram-se na Praça da Igreja Matriz para falar sobre defesa de direitos. Profissionais das áreas de Assistência Social abordaram o enfrentamento do abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, enquanto pacientes e profissionais da área de saúde mental conduziram as discussões sobre a luta antimanicomial, na qual destaca-se a reformulação da política de assistência prestada a pessoas com sofrimento psíquico e transtornos mentais.

O evento encerrou as atividades da Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O apoio de serviços e secretarias da Prefeitura permitiu que ocorresse a apresentação de trabalhos de participantes dos Adolescentros, demonstração de grafitagem desenvolvida por integrantes do Centro Operacional de Medidas Socioeducativas, distribuição de mudas para a população pela Secretaria de Meio Ambiente, organização do tráfego de veículos e orientações ao público realizadas pelo Departamento de Trânsito, apresentação de corais e dança de idosos do Centro de Convivência.

Luta Antimanicomial

A ação em prol da luta antimanicomial foi realizada com ajuda do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II) e da Associação de Saúde Mental Dr. Régis Viola. O intuito principal era chamar a atenção para as conquistas obtidas na área psiquiátrica nos últimos anos, que vão de encontro com a defesa de direitos humanos e resgate da cidadania com superação do preconceito, rompendo com a antiga visão de internamento como única alternativa de tratamento psiquiátrico e apostando cada vez mais na inclusão social desses pacientes.

“A partir dos anos 80 começou o movimento para reforma dessa política, o que possibilitou o estabelecimento de um sistema público mais democrático para esses pacientes, com a divisão de atendimentos em centros de atenção básica e especial. Graças a luta de trabalhadores da saúde mental, familiares e usuários da rede, passou a existir a oferta de outros dispositivos e estratégias que pudessem auxiliar nos tratamentos e trazer mais qualidade de vida para essas pessoas”, comenta a coordenadora do CAPS II, Patrícia Lafraia.

A comemoração dos avanços conquistados na área abriu espaço na data para os participantes do CAPS II apresentarem seu coral e manifestos sobre o tema. “Quando que antigamente teríamos algo assim? Eles estão hoje aqui exercendo seu papel de cidadão, apresentando-se em praça pública, falando sobre seus anseios e liberdades, apoiando também a causa contra a violência e abuso sexual que está sendo posta em destaque esta semana”, ressalta a psicóloga do CAPS II, Eliane Furtado.

O Movimento da Luta Antimanicomial existe para lembrar que, como todo cidadão, estas pessoas têm o direito fundamental à liberdade, o direito a viver em sociedade, além do direto a receber cuidado e tratamento sem que para isto tenham que abrir mão de seus direitos garantidos.

SMCS / Foto Carlos Poly

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.