Brasil

Crimes “mais graves” da Lava Jato ocorreram no Paraná, diz MPF

Os crimes mais graves investigados pela Operação Lava Jato ocorreram no Paraná, de acordo com a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) que conduz o caso. A afirmação consta de um novo site elaborado pelo MPF que explica detalhes da operação: www.lavajato.mpf.mp.br.

São citados pelo MPF os crimes de lavagem de dinheiro praticados pelo doleiro Alberto Youssef, que empetrobras_30115 parte ocorreram em Londrina, no Norte do estado, e também as obras de reforma darefinaria Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na região metropolitana de Curitiba. O texto diz que há “provas concretas de corrupção envolvendo propinas de dezenas de milhões de reais pagas em obras” da Repar.

Berço

Os exemplos fazem parte de uma seção do site que explica os motivos de a operação estar centralizada em Curitiba. E podem ser entendidas como uma justificativa para manter o caso no Paraná.

Desde o início da operação, as defesas dos acusados já fizeram várias tentativas de transferir os processos para outros estados. O principal objetivo dos advogados é tentar tirar as ações das mãos do juiz federal Sérgio Moro, da 13.ª Vara Criminal de Curitiba. Moro é considerado implacável e intransigente com casos de corrupção.

Em entrevista à Gazeta do Povo, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou que o Paraná – e especificamente Londrina – pode ser considerado o “berço” da Lava Jato.

“O berço é onde está o Alberto Youssef. O Alberto é ligado à parte dos crimes financeiros. E, dos crimes políticos, o pivô era o [ex-deputado do PP, já falecido] José Janene. E os dois são de Londrina”, disse Lima.

No site da Operação Lava Jato, os procuradores explicam ainda que “os primeiros fatos investigados envolviam lavagem de dinheiro praticada, entre outras pessoas, por Alberto Youssef, e aconteceram em Londrina, no Paraná”. No decorrer das investigações, foram descobertos crimes em outros estados, como São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco.

“Além de Alberto Youssef ter sede no Paraná e em São Paulo, ele lavou ativos por meio de atividades e imóveis localizados em Londrina e em Curitiba, gerenciando suas atividades ilícitas também a partir daí”, diz o texto.

Os imóveis citados foram transferidos ao poder público a partir do acordo de delação premiada que o doleiro firmou com o MPF em troca de redução de pena. Isso incluiu hotéis em São Paulo e na Bahia e o Hotel Bluee Tree Premium, em Londrina. Youssef admitiu que os bens, que somam R$ 50 milhões, foram obtidos com dinheiro sujo.

Além da lavagem de dinheiro e dos desvios da Repar, a Gazeta do Povo já mostrou outros fatosrelacionados à Lava Jato que ocorreram no Paraná. A previdência dos servidores de Paranaguá, no litoral, investiu R$ 2 milhões em um fundo administrado por Youssef. E obras privadas no Porto de Paranaguá são citadas em uma planilha apreendida com o doleiro, levantando suspeita sobre a possibilidade de pagamento de propina de cerca de R$ 14 milhões.

R$ 2,1 bilhões foram desviados da Petrobras

De acordo com balanço do MPF divulgado no site da Operação Lava Jato, pelo menos R$ 2,1 bilhões foram desviados da Petrobras, contando apenas os crimes já denunciados. O valor deve crescer com o decorrer das investigações.

O MPF também destaca que 232 empresas e 150 pessoas estão sendo investigada. E informa que R$ 450 milhões de valores desviados já foram recuperados. Outros R$ 200 milhões em bens dos réus foram bloqueados pela Justiça para o ressarcimento de danos e pagamento de multas em caso de futuras condenações.

O site da Lava Jato (www.lavajato.mpf.mp.br) entrou no ar anteontem. Funciona como um banco de dados operação, além de explicar os procedimentos da investigação.

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.