Paraná

Conta de água está cada vez mais ‘salgada’ no Paraná

Você deu uma olhada na sua última conta de água? Percebeu que houve alteração na tarifa? Até o mês passado, o morador do Campina do Siqueira, Paulo Fernando Otoni da Fonseca, pagava R$ 33,74 por 10 metros cúbicos de água. Pelas contas dele, cada metro cúbico custava R$ 3,37. Em julho, a Sanepar reduziu o consumo mínimo de 10 metros cúbicos para 5, com valor de R$ 32,90. O que daria R$ 6,58 por metro cúbico. Nas contas do Paulo, um aumento de mais de 95%.

Tribuna procurou a Sanepar para tentar entender o que mudou na cobrança tarifa de água. A companhia de saneamento cobra pelo consumo mínimo de 5 metros cúbicos, independente se o usuário consumiu 1, 3 ou 5 metros cúbicos. A empresa alega que é uma forma mais justa de cobrar, pois antes, quem consumia qualquer quantidade entre 1 e 10 metros cúbicos pagava o equivalente a 10. Só que 44,4% da população paranaense consome menos do que 8 metros cúbicos de água por mês.

O usuário que ultrapassa o consumo mínimo paga por metro cúbico excedente. Quanto maior for o consumo, maior o valor do metro cúbico. Aí aparece uma segunda linha na conta de água, com o valor adicional (na tarifa residencial normal, por exemplo, o metro de água vai de R$ 1,02 até R$ 9,72). A justificativa é fazer com que as pessoas economizem o recurso. Mas o que anda confundindo a cabeça de clientes é por que na primeira faixa (onde está o consumo mínimo de 5 metros cúbicos) não se pode dividir o valor total (R$ 32,90) pelos metros cúbicos.

Foto: Divulgação/Sanepar

Foto: Divulgação/Sanepar

Explicações

Independente da quantidade de água que cada pessoa consome, a Sanepar possui um custo fixo para operar todo o sistema. Ela precisa cobrir, por exemplo, salários dos funcionários, produtos químicos usados no tratamento da água e do esgoto, manutenções no sistema, financiamentos bancários que faz para poder investir em melhorias ou na construção de novas estruturas, entre outros custos. Mesmo que uma família esteja viajando em férias e não consumiu nada de água naquele mês, a Sanepar continua tendo o custo para operar o sistema e disponibilizar a água nas torneiras daquela residência.

Por isso, nesta primeira faixa de consumo da conta de água, estão inclusos dois custos: o custo de operação do sistema (hoje em aproximadamente R$ 27,80) mais o valor por 5 metros cúbicos (cada metro custa R$ 1,02 nesta primeira faixa).

Nada especificado

Seria mais fácil se na conta viesse separado o que é custo operacional e a quantidade de metros cúbicos usados. O problema é que a Sanepar não sabe com exatidão quanto custa essa taxa de manutenção. Hoje, o valor estimado é de R$ 27,80. Como é aproximado, a companhia não o deixa especificado e junta o valor ao consumo mínimo de 5 metros cúbicos.

Mas a companhia está realizando uma revisão de toda a sua estrutura e processos de trabalho, para saber com exatidão qual é este valor. Daqui há quatro anos, quando ocorrer a nova revisão tarifária, é possível que isto venha especificado na conta, com mais clareza: o que é custo operacional, quanto custa cada metro cúbico consumido e quanto estão pagando por esgoto (que custa 85% do valor da água em Curitiba e 80% em outras cidades). Mas pode ser que, com os estudos que estão sendo feitos, essa porcentagem de esgoto mude. Outra mudança possível é que não exista mais uma cobrança pelo consumo mínimo de 5 metros cúbicos e que as pessoas passem a pagar exatamente pelo que consomem.

Revisão inédita

É a primeira vez, em 54 anos de existência, que a Sanepar faz uma revisão tarifária. Mas não é a única empresa que fez isto pela primeira vez. São Paulo e Minas Gerais já fizeram e outras estão em vias de fazer também. É um conceito de cobrança de tarifa completamente diferente do que era usado até agora.

As companhias pegavam os custos que possuíam para operar o sistema de água e esgoto, faziam um orçamento “mais ou menos” do que iam gastar no ano seguinte e assim saía o custo da tarifa de água. Hoje, utiliza-se o conceito de tarifa econômica.

Neste novo conceito, a companhia analisa não somente os custos que possui. Ela também tem que levar em consideração os investimentos futuros, as reposições e manutenções na estrutura, se está tendo um lucro, entre outros pontos.

Em investimentos futuros, a companhia terá que ter recursos suficientes para construir novas estações de água e tubulações para atender o crescimento dos bairros e cidades. Quando a Sanepar faz contratos com prefeituras, para atender a população daquele município, muitas prefeituras exigem determinados investimentos em contratos. A companhia tem que ter dinheiro para cumprir o que foi acordado no contrato.

Em reposições e manutenções, por exemplo, a companhia precisa ter dinheiro para consertar problemas que vão surgindo no sistema. E as tubulações de água e esgoto são previstas para durarem 50 anos. Findo este prazo, a companhia tem que ter dinheiro para substituir as tubulações e equipamentos que estão em fim de vida útil.

Também é preciso ver se a companhia está tendo um lucro adequado pelo serviço que presta. Assim é feito o cálculo da tarifa econômica. A Lei do Saneamento ainda exige que as companhias estejam dentro de parâmetros de custos e gastos “eficientes” e que, se tem ganhos de produtividade, que sejam revertidos em benefício da população, seja em melhorias do serviço ou barateamento da tarifa. Conforme a Lei do Saneamento, a revisão tarifária deve ocorrer a cada quatro anos. Em 2021, a Sanepar deverá fazer um novo procedimento destes.

Entenda o reajuste

info1

Este mês, a Sanepar reajustou em 8,53% a tarifa de água (o aumento total deverá ser de 25,63%, mas será escalonado pelos próximos sete anos). Apesar do aumento, a empresa argumenta que cerca de 22% da população paranaense está pagando menos do que pagava antes. É a faixa de consumidores que gasta até cinco metros cúbicos por mês.

Antes de aplicar o reajuste de 8,53%, a Sanepar fez uma reestruturação na antiga tabela de preços: as pessoas que consomem até 8 metros cúbicos de água ganharam descontos entre 10,2% e 1,8% na tarifa. Quanto menor o consumo, maior o desconto. Depois da reestruturação é que a Sanepar aplicou os 8,53% de aumento em todas as faixas.

No entanto, apesar do aumento, algumas faixas de consumo chegaram a ter desconto. Como por exemplo, a faixa de consumo de 5 metros cúbicos. O desconto antes do reajuste foi de 10,2%. Depois disto é que foi adicionado o aumento de 8,53%. Ou seja, a pessoa está pagando menos pela água, pois a porcentagem de desconto foi maior que a porcentagem do reajuste. Já quem consome 6 metros cúbicos, por exemplo, está pagando 0,5% a mais.

Foto: Daniel Caron

Foto: Daniel Caron

Reajuste + reajuste

Além do reajuste de 25,65% (dividido entre 8,53% em 2017 e 2,11% + Selic nos próximos sete anos), a tarifa de água ainda vai sofrer o reajuste anual da inflação a partir de 2018. A medida, diz a Sanepar, é para recompor o poder de compra da companhia. Entre os anos de 2006 a 2010, a tarifa de água ficou sem nenhum tipo de aumento. De 2011 a 2016, afirma a Sanepar, a tarifa teve apenas a reposição da inflação.

Mas o economista Fabiano Camargo da Silva, técnico do Dieese, rebate a informação. Conforme cálculos do Dieese, a inflação do período foi de 40%, enquanto os aumentos na conta de água chegaram a 106% (a tarifa social, especificamente, sofreu aumento de 77%). Só em 2015, diz ele, foram três majorações (maio, julho e setembro). E não houve retorno disto à sociedade, afirma.

Ações valorizadas

Além de repor o que foi perdido enquanto a tarifa estava congelada, diz Fabiano, a Sanepar está tentando aumentar o valor de suas ações. Se entra mais dinheiro em caixa com o aumento da tarifa, a empresa está lucrando mais e aumentando seus ativos. Em consequência, as ações da empresa crescem de valor e os acionistas (pessoas que compraram as ações) lucram mais. Mas é um dinheiro que traz privilégios ao bolso dos acionistas, não à sociedade.

Fabiano também acha que o aumento veio numa hora errada, no meio de uma crise, desemprego e incertezas. Os trabalhadores mal tiveram a reposição da inflação em seus salários, nos últimos quatro anos, enquanto a Sanepar, analisa ele, teve um lucro de R$ 2,5 bilhões no período.

Fabiano ainda ressalta que, de fato, a reestruturação da tarifa privilegiou algumas pessoas. Mas somente aquelas famílias que consomem menos que 5 metros cúbicos por mês (a média é 2,5 metros por pessoa). A partir de 6 metros cúbicos consumidos (uma família de três pessoas, por exemplo), as pessoas começaram a sentir o aumento no bolso. Ele parte de 0,5% até 12,9%.

info2

Sobrou pro povão

Carlos Magno Bittencourt, conselheiro do Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon-PR), não enxerga com bons olhos o aumento de 25% na tarifa de água. Por má gestão em anos anteriores, a tarifa ficou muito tempo congelada. Agora, que o reajuste foi necessário, veio muito alto para o bolso do consumidor. Mesmo que escalonado, não deixa de ser um impacto ao orçamento das famílias. “É inadequado fazer isso no meio de uma crise. O desemprego é grande, a renda das famílias está menor, elas estão endividadas e inadimplentes, com juros asfixiando. As famílias que consomem menos água foram privilegiadas com as mudanças nas faixas de consumo. Porém mesmo que o aumento para outras represente poucos reais, não era o momento para isso. Precisa de um melhor planejamento. Se não, sobra no lombo do povo”, analisa Carlos.

Ele ainda mostra que o aumento da água pode gerar um efeito cascata. Ele cita como exemplo um restaurante, que precisa usar muita água. “Esse custo a mais da conta de água vai entrar na planilha de gastos do estabelecimento, que por sua vez vai passar o custo para o cliente. Não podemos enxergar somente uma ‘árvore’, mas a ‘floresta’ toda”, mostra ele. Carlos acredita que a próxima revisão tarifária (daqui a quatro anos) será bem mais suave.

Investigação

O Ministério Público do Paraná e o Procon Paraná abriram procedimentos internos para averiguar se o aumento da tarifa não é abusivo ou ilegal. A Sanepar diz que tudo foi feito conforme determina a Lei do Saneamento (11.445/2007), e auditado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar).

 

CAÇADORES DE NOTÍCIAS – TRIBUNA DO PARANÁ – fotos Daniel Caron

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.